27 mar 2018

O Parque da Independência, na Zona Sul de São Paulo, será fechado nesta terça-feira (27) devido ao risco de contágio de febre amarela.

O fechamento ocorrerá após a morte de um macaco sagui por conta da doença na região. A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente disse que o parque deve ser reaberto em 27 de abril, e que a vacinação vai ser ampliada na região.

Parque da Independência será fechado nesta terça (27) por risco de febre amarela

Parque da Independência será fechado nesta terça (27) por risco de febre amarela

A capital paulista tem outros 28 parques fechados, e 27 deles serão reabertos nesta sexta-feira (30). São eles:

  1. Parque Anhanguera – Av. Fortunata Tadiello Natucci – 1000, Perus
  2. Parque Cidade de Toronto – Avenida Cardeal Motta, 84 – Pirituba
  3. Parque Jacintho Alberto – Rua Talófitos, 16 – Pirituba
  4. Parque Jardim Felicidade – Rua Laudelino Vieira de Campos, 265
  5. Parque Linear Canivete – Av. Dep. Cantídio Sampaio – Jardim Damasceno
  6. Parque Linear Córrego do Bispo (em implantação) – Av. Gal. Penha Brasil, esquina com rua Gervásio Leite Rebelo, ao longo do Córrego do Bispo – Jardim Peri
  7. Parque Lions Clube Tucuruvi – Rua Alcindo Bueno de Assis, altura do nº 500
  8. Parque Pinheirinho D’Água – Estrada de Taipas, s/nº – Jaraguá
  9. Parque Rodrigo de Gásperi – Avenida Miguel de Castro, 321 – Vila Zati
  10. Parque São Domingos – Rua Pedro Sernagiotti, 125
  11. Parque Sena – Rua Sena, 349 – Palmas do Tremembé
  12. Parque Senhor do Vale – Rua Blas Parera, 487
  13. Parque Tenente Brigadeiro Faria Lima – Rua Heróis da Feb, 322 – Parque Novo Mundo
  14. Parque Santo Dias – Rua Jasmin da Beirada, 71 (Portão I) – Capão Redondo, Rua Arroio das Caneleiras, s/n (Portão II)
  15. Parque Jd. Herculano – Estrada da Riviera, 2282 – Jd. Herculano
  16. Parque M’Boi Mirim – Estrada do M’Boi Mirim, 7.100 – Jardim Ângela
  17. Parque Guarapiranga – Estrada Guarapiranga, 575 – Parque Alves de Lima
  18. Parque Cemucam – Rua Mesopotâmia, s/n (km 25 da Rodovia Raposo Tavares sentido Capital) – Jd. Passárgada – Cotia
  19. Parque Raposo Tavares – Rua Telmo Coelho Filho, 200 – Jardim Olympia
  20. Parque Juliana de Carvalho Torres – Travessa Córrego da independência – Cohab Raposo Tavares
  21. Parque Linear Feitiço da Vila – Rua Feitiço da Vila, Rua Cortegaça e Rua Moenda
  22. Parque Linear Parelheiros – Estrada da Colônia; Rua Teresinha do Prado Oliveira; José Pedro de Borba
  23. Parque Linear Sapé – Rodovia Raposo Tavares até Avenida Engenheiro Politécnico
  24. Parque do Chuvisco: Rua Ipiranga, 792 – Jardim Aeroporto
  25. Parque do Cordeiro Martin Luther King: Rua Breves, 968 – Chácara Monte Alegre
  26. Parque Severo Gomes: Rua Pires de Oliveira, 356 – Granja Julieta
  27. Parque Linear Invernada: Rua Sapoti / Rua Confiteor / Trav. da Canção Excêntrica – Campo Belo
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
21 mar 2018

Câncer: por que queremos a cura, mas resistimos à prevenção?

Especialista ressalta a importância da vacina contra o HPV e questiona a falta de foco na prevenção dos tumores

Ouvimos e repetimos a vida toda o sonho das gerações passadas de um dia chegar à cura do câncer. Mas um fenômeno intrigante e – por que não? – incoerente é o fato de que, hoje, temos um método preventivo contra vários tipos dessa doença, e grande parte das pessoas parece não dar importância a isso. Estou falando da vacina contra o HPV – o papiloma vírus humano.

Causador do câncer de colo do útero, esse inimigo também é associado aos tumores de vulva, ânus, pênis e boca, além de provocar verrugas na área genital, laringe e ânus. Desde 2014, a vacina quadrivalente contra o HPV está na rede pública para meninas (de 9 a 14 anos). Ela também é oferecida para homens e mulheres de 9 a 26 anos com HIV/Aids e para indivíduos imunodeprimidos (pessoas submetidas a transplantes ou pacientes com câncer, por exemplo).

No início desse programa de vacinação, quando a primeira dose foi disponibilizada dentro das escolas públicas e privadas, a adesão foi extremamente positiva, atingindo 100% do público de meninas entre 12 e 14 anos, para quem a imunização foi oferecida naquele momento. Já a segunda dose, que deveria ter sido administrada após seis meses, não contou com a participação das escolas. Resultado: a procura pela vacina nos postos de saúde teve menos da metade da adesão.

Fonte: Saúde Abril
Link: https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/cancer-por-que-queremos-a-cura-mas-resistimos-a-prevencao/

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
13 mar 2018

Lollapalooza 2018: Secretaria de Saúde recomenda que público tome a vacina contra a febre amarela

Autódromo de Interlagos é um dos 24 distritos com recomendação para a imunização

O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 17h15

Em um comunicado oficial, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) recomenda que quem for ao festival Lollapalooza nos dias 23, 24 e 25 de março no Autódromo de Interlagos, na zona sul de São Paulo, tome a vacina contra a febre amarela.

Lollapalooza
É importante que a vacina seja aplicada com até dez dias de antecedência Foto: Serjão Carvalho/Estadão

A região do Autódromo de Interlagos é um dos 24 distritos com recomendação para a imunização contra a doença. Vale lembrar que a vacina precisa ser aplicada com até dez dias de antecedência. Esse é o período mínimo para que ela faça efeito.

Leia o comunicado:

“A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Paulo recomenda para quem vai curtir o Festival Lollapalooza, nos dias 23, 24 e 25 de março, tomar a vacina contra a febre amarela com, no mínimo, 10 dias de antecedência. O evento acontecerá no Autódromo de Interlagos, em Cidade Dutra, um dos 24 distritos com recomendação para a imunização contra a doença e que, por isso, integra a segunda fase da campanha de vacinação contra a febre amarela no município.

A orientação aos moradores da capital que ainda não foram imunizados e que pretendem ir ao festival é procurar uma unidade de referência para viajante ou um dos postos que esteja participando da atual fase da campanha. É importante lembrar que 10 dias é o tempo mínimo para que a vacina faça efeito.

Para quem não reside na capital paulista, é importante já tomar a vacina antes da viagem, uma vez que é necessário o tempo para que de fato ocorra a imunização”, diz o comunicado.

Para receber a dose na capital paulista, é importante apresentar a pulseira ou o comprovante de compra de acesso ao festival na unidade de saúde bem como o cartão SUS, além de comprovante de identidade. A lista das unidades que estão vacinando pode ser acessada aqui“, diz o comunicado.

Fonte: Estadão

http://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,lollapalooza-2018-secretaria-de-saude-recomenda-que-publico-tome-a-vacina-contra-a-febre-amarela,70002224085

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail