02 jul 2020

Ontem comemoramos o Dia da Vacina BCG, entenda melhor porquê essa vacina merece um dia dedicado à ela e tire as principais dúvidas sobre a vacina conhecida pela “marquinha” que deixa no local onde é aplicada.

A BCG é uma vacina indicada contra a tuberculose e é normalmente administrada logo após o nascimento, estando incluída no calendário básico de vacinação da criança. Esta vacina não impede a infecção nem o desenvolvimento da doença, mas impede que ela evolua e evita, na maior parte dos casos, as formas mais graves da doença, como a tuberculose miliar e a meningite tuberculosa. Saiba mais sobre a tuberculose.

A vacina BCG é composta por bactérias da estirpe Mycobacterium bovis (Bacillus Calmette-Guérin), que têm uma carga viral atenuada e que, por isso, ajudam a estimular o organismo, levando à produção de anticorpos contra esta doença, que estarão prontos para serem usados caso a bactéria entre no organismo.

A vacina é disponibilizada gratuitamente pelo Ministério da Saúde, sendo normalmente administrada na maternidade ou no posto de saúde logo após o nascimento.

Como é administrada

A vacina BCG deve ser administrada diretamente na camada superior da pele, por um médico, enfermeiro ou profissional de saúde treinado. Geralmente, para crianças com idade inferior a 12 meses a dose recomendada é de 0,05 mL, e com idade superior a 12 meses é de 0,1 mL.

Esta vacina é sempre aplicada no braço direito da criança, e a resposta à vacina leva de 3 a 6 meses para aparecer e é notada quando surge uma pequena mancha vermelha elevada na pele, que evolui para uma pequena úlcera e, finalmente, uma cicatriz. A formação da cicatriz indica que a vacina foi capaz de estimular a imunidade no bebê.

Cuidados a ter depois da vacina

Depois de receber a vacina, a criança pode apresentar uma lesão no local da injeção. Para que a cicatrização seja feita corretamente deve-se evitar cobrir a lesão, manter o local limpo, não aplicar qualquer tipo de medicamento, nem fazer curativo na região.

Possíveis reações adversas

Normalmente a vacina contra tuberculose não leva ao surgimento de efeitos colaterais, além da ocorrência de inchaço, vermelhidão e sensibilidade no local da injeção, que gradualmente muda para uma pequena vesícula e depois para uma úlcera em cerca de 2 a 4 semanas.

Leia também: Quais vacinas tomar durante a gravidez?

Embora seja raro, em alguns casos, pode ocorrer inchaço dos gânglios linfáticos, dor muscular e ferida no local da injeção. Ao surgirem esses efeitos colaterais, é indicado ir ao pediatra para que a criança seja avaliada.

Quem não deve tomar

A vacina é contra-indicada para bebês prematuros ou com menos de 2kg, sendo necessário esperar o bebê chegar aos 2kg para que seja administrada a vacina. Além disso, pessoas com alergia a algum componente da fórmula, com doenças congênitas ou imunodepressoras, como infecção generalizada ou AIDS, por exemplo, não devem tomar a vacina.

Qual a duração da proteção

A duração da proteção é variável. Sabe-se que vai diminuindo ao longo dos anos, pela incapacidade de gerar uma quantidade de células de memória suficientemente robusto e duradouro. Assim, sabe-se que a proteção é superior nos primeiros 3 anos de vida, mas não existem evidências de que a proteção seja superior a 15 anos.

A vacina BCG pode proteger do coronavírus?

Segundo a OMS, não existe qualquer evidência científica que demonstre que a vacina BCG é capaz de proteger contra o novo coronavírus, causador da infecção COVID-19. No entanto, estão sendo feitas investigações para entender se realmente esta vacina pode ter algum efeito contra o novo coronavírus.

Devido à falta de evidência, a OMS recomenda a vacina BCG apenas para países em que existe um risco aumentado de pegar tuberculose.

 

 

Fonte: Tua Saúde

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
30 jun 2020
vacinação

Desde dezembro de 2011 trabalhamos para melhorar a saúde e a qualidade de vida das pessoas, através da imunização corporativa e familiar.

Somos comprometidos em prestar um atendimento técnico e acolhedor, a preocupação com segurança e ética guiam as atividades do nosso trabalho em preservar a vida e o bem-estar.
Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes em relações corporativas, resultando em um diferencial humano na prestação de serviços a empresas e clientes.

Levando a saúde para o maior número de pessoas

O cliente tem suas necessidades atendidas onde estiver, profissionais capacitados para avaliar situação vacinal e indicar as vacinas que irão prevenir doenças graves que vão impactar diretamente na qualidade e expectativa de vida.

Como funciona o procedimento de vacinação na Clínica Vip Imune?

Nos preocupamos em oferecer um atendimento humanizado e personalizado para cada grupo de pessoas. Desde o Vip em Casa (atendimento domiciliar) até o Vip in Company (vacinação corporativa).

Independente de onde, seguimos sempre os procedimentos essenciais para que a vacinação seja segura tanto para o paciente quanto para o profissional.

Os “Certos” da vacinação segura

• Paciente Certo: confirmar o nome do paciente para evitar a aplicação em pessoa errada;
• Vacina Certa: conferir pelo menos três vezes qual vacina deve ser preparada para administração;
• Momento Certo: analisar cuidadosamente a carteira de vacinação para ter certeza de que é o momento correto para administrar determinada vacina;
• Dose Certa: administrar a dose correta. O cuidado deve ser redobrado quando a apresentação da vacina for multidose;
• Preparo e Administração Certos: preparar a vacina de acordo com sua apresentação. Exemplos: diluir o pó da vacina com o conteúdo inteiro do diluente; não agitar a vacina com força após a diluição; aspirar todo o conteúdo, quando a vacina for monodose, e a dose correta quando esta for multidose; utilizar a agulha correta e escolher a melhor área para a aplicação da vacina — se subcutânea ou intramuscular, na perna ou no braço.

Quer a garantia de segurança durante a vacinação? Conte com a Vip Imune. Entre em contato conosco para conhecer melhor nossos procedimentos.

11 3723-2828
11 3723-2827
11 99237-7672
vipimune.com.br
Rua Valdemar Blakauskas, 68 – Morumbi/SP

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
29 jun 2020
Vacinação também é fundamental para os mais velhos

Para cada fase da vida existem cuidados específicos que devem ser tomados em relação à saúde. Na terceira idade se torna ainda mais importante respeitar essas necessidades, principalmente quando o assunto é vacinação.

Pessoas com mais de 60 anos também precisam manter a carteirinha em dia. Conheça algumas das doenças que merecem prevenção especial

Junto com o acesso à água potável, a vacinação é considerada a invenção que mais salvou vidas na história da humanidade. Seu desenvolvimento permitiu varrer da face da Terra vírus e bactérias que, há apenas algumas décadas, afetavam milhões de pessoas, especialmente as crianças. O aprimoramento da tecnologia e do conhecimento científico possibilitou ampliar a ação dos imunizantes e estender seu uso para outras faixas etárias, incluindo à turma que já passou dos 60.

Hoje, esses recursos são considerados um pilar fundamental do envelhecimento saudável. “Do mesmo modo que tratamos o colesterol e a pressão alta para evitar um infarto nos idosos, temos que encarar a vacinação como a melhor estratégia para prevenir as doenças contagiosas”, compara a médica Maisa Kairalla, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – Regional São Paulo.

Com o passar dos anos, é natural que o sistema imunológico fique mais frágil e não consiga responder ao ataque de seres microscópicos com a mesma potência de outrora. Nesse contexto, as vacinas perdem um pouquinho de sua efetividade. Mas não há razão para alarde: elas continuam importantes e diminuem pra valer a probabilidade de complicações derivadas de uma infecção. “Um indivíduo imunizado contra o vírus influenza pode até pegar uma gripe, mas o quadro será leve e ele terá um risco muito menor de sofrer uma pneumonia na sequência”, exemplifica a médica Isabela Garrido, do Fleury Medicina e Saúde.

Também não dá pra se esquecer do benefício coletivo das picadas. Ora, se eu estou resguardado contra determinado micróbio, não o transmito para quem está em meu círculo de convivência.

Imagine alguém mais velho que mora com um portador de doença crônica ou com seu neto recém-nascido, ainda não totalmente vacinado. Essas pessoas estão vulneráveis e dependem da imunidade dos outros para não contrair algumas infecções. Portanto, manter a carteirinha atualizada é uma responsabilidade para com a sociedade.

Infelizmente, a visita aos postos de saúde fica mais rara conforme a idade avança. “Não temos a cultura de perguntar sobre as vacinas após a infância”, nota a geriatra Thais Ioshimoto, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. 

Outros motivos que explicam essa baixa popularidade são as notícias falsas espalhadas pela internet e o próprio sucesso das políticas públicas. “Como não vemos gente com sequelas de poliomielite ou de sarampo, parece que são coisas de um passado distante. Mas elas só permanecerão assim se insistirmos nesse esforço conjunto”, conclama a médica Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Nas páginas a seguir, você confere as vacinas que todo mundo acima de 60 anos deve tomar para percorrer uma vida longa e livre de ameaças.

Será que eu tomei?

“Caso não exista um registro adequado na carteirinha de vacinação, o indivíduo deve se valer de outra dose para se certificar”, orienta a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, entidade que publica uma tabela de vacinas específica aos idosos. Antes de reforçar as defesas do corpo, você pode buscar o aconselhamento com seu médico ou ir direto à unidade de saúde mais próxima de sua casa.

Influenza

Periodicidade – Uma vez ao ano.

Disponibilidade – Na rede pública e na rede privada.

Entra ano, sai ano, todo mês de abril começa a campanha nacional de vacinação contra a gripe. Os idosos são um dos públicos-alvo. Afinal, o vírus costuma provocar problemas sérios neles e favorecer outras infecções respiratórias, com destaque para a pneumonia.

A necessidade de renovar a proteção de 12 em 12 meses está relacionada à mudança no tipo de influenza que circula pelo ambiente a cada inverno – às vezes é o H1N1, outras é o H3N2 e assim por diante. “Além disso, aproveitamos a passagem deles no posto para atualizar as outras vacinas que estejam atrasadas”, conta a enfermeira Maria Lígia Nerger, coordenadora do Programa Municipal de Imunizações de São Paulo.

Pneumocócica

Periodicidade – Uma dose da 13-valente e, seis meses depois, uma da 23-valente. Após cinco anos, é feito um reforço da 23-valente.

Disponibilidade – Na rede pública, apenas a 23-valente para idosos hospitalizados ou em clínicas. Na rede privada, é possível encontrar os dois produtos.

Com 70 mil óbitos anuais, a pneumonia é a terceira maior causa de morte no Brasil (na frente estão infarto e AVC). Ainda bem que existem imunizantes capazes de barrar as principais bactérias por trás da encrenca, como a Streptococcus pneumoniae, responsável por até 30% dos casos.

“As vacinas 13-valente e 23-valente resguardam contra cepas diferentes de micro-organismos”, diz Thais Ioshimoto. Por questões financeiras, a 13-valente não está no sistema público. Mas o governo deve incluí-la em breve no calendário para algumas populações.

Herpes-zóster

Periodicidade – Dose única.

Disponibilidade – Só na rede privada.

Lembra aquela catapora que você (ou um familiar) teve na infância? Ela pode voltar a atormentar décadas depois. Isso porque o vírus que suscita a condição, conhecido como varicela-zóster, fica anos quietinho no nosso sistema nervoso. Daí ele tira vantagem de falhas da imunidade para reaparecer por meio de bolhas na pele e dores intensas, que muitas vezes viram crônicas.

Tríplice bacteriana

Periodicidade – Uma dose a cada dez anos.

Disponibilidade – Na rede pública, apenas a versão dupla, que protege de difteria e tétano. Na rede privada, há o acréscimo da coqueluche.

Apesar de a difteria estar controlada no país, a imunização contra essa doença que atinge as vias aéreas segue importante para anular epidemias futuras. O tétano, marcado por fortes espasmos musculares, costuma ocorrer após acidentes. Como os idosos estão mais ativos ultimamente, o risco da infecção sobe.

Por fim, a coqueluche não chega a ser uma ameaça brava ao sistema respiratório dos mais velhos. “Mas vaciná-los impede a propagação para as crianças, público em que a doença é mais séria”, diz a médica Letícia Lastoria, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Hepatite B

Periodicidade – Três doses com um intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda e seis meses para a terceira.

Disponibilidade – Na rede pública e na rede privada.

As doenças sexualmente transmissíveis estão em alta entre os idosos. Um exemplo claro disso é a hepatite B, difundida por meio do sêmen, das secreções vaginais, da saliva e do sangue. Em 2016, a faixa etária acima dos 60 anos passou para o primeiro lugar no número de casos da moléstia no Brasil, representando 13% do total.

Além do sexo, é possível se infectar com objetos cortantes, como alicates de unha e seringas. O vírus fica alojado no fígado e pode provocar uma cirrose ou um tumor. “E a vacina é a barreira inicial contra um câncer ali”, afirma Maria Lígia Nerger. Antes restrita aos bebês, ela começou a ser prescrita para todas as idades a partir de 2013.

Situações especiais

Veja outros imunizantes que são usados em alguns contextos

Hepatite A

Aplicada apenas em surtos ou quando um exame de sangue, pedido pelo profissional de saúde, mostrar que o organismo não está 100% livre do vírus.

Febre amarela

Moradores de regiões onde há casos relatados dessa doença precisam tomar uma dose da vacina. Antes de ir ao posto, idosos devem se orientar com o médico.

Meningocócica conjugada ACWY

Resguarda contra quatro sorotipos da bactéria. É indicada antes de viagens para áreas em que a meningite está ativa, como países da África.

Tríplice viral

Evita sarampo, caxumba e rubéola. Como a maioria das pessoas já teve contato com esses vírus antes dos 60 anos, não há necessidade dessa picada rotineiramente.

 

 

Fonte: Saúde Abril

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
25 jun 2020
pandemia

Manter a vacinação em dia é importante sempre, porém em tempos de pandemia é ainda mais essencial. A vacinação protege contra doenças imuno infecciosas, prevenindo a necessidade internações e hospitalizações que podem ser evitadas.

O isolamento social e a quarentena têm implicado em restrições que podem afetar os serviços de saúde, esse cenário traz com ele o risco da descontinuidade da vacinação rotineira.

Para a OMS,  mesmo que por curtos períodos, a  descontinuidade da imunização de rotina pode ser indicativo de possíveis surtos e  aumento de casos de doenças evitáveis por vacinas, portando a vacinação é considerada um serviço essencial pois tem a capacidade de auxiliar no controle de doenças e também  prevenir o aumento da demanda nos serviços de saúde que já estavam previamente sobrecarregados antes da pandemia do novo coronavírus.

A Sociedade Brasileira de imunização (SBIm) e a Sociedade brasileira de Pediatria (SBP) publicaram uma nota técnica que indica que quando há a possibilidade de realizar vacinação de forma segura não se deve atrasar as vacinas de rotina.

Leia também: Idosos devem se vacinar contra pneumonia para evitar complicações do novo coronavírus

Recomendações da SBIm para que a vacinação seja realizada de forma segura e eficaz:

  1. O isolamento/distanciamento social deve ser respeitado;
  2. Manter a vigilância epidemiológica das doenças preveníeis por vacina;
  3. Evitar aglomeração, respeitar o distanciamento social;
  4. Criar estratégias com alternativas para realização da vacinação segura adaptando a sua realidade, a fim de garantir segurança para o paciente e para os trabalhadores da saúde;
  5. Estimular fortemente a vacinação de rotina, mesmo que em ambientes alternativos;
  6. Otimizar o calendário de vacinação, aplicando de forma segura o maior número de vacinas na mesma visita;
  7. Não buscar vacinação quando estiver apresentando sintomas respiratórios ou febre, ou seja, espere o intervalo de 14 dias de isolamento social.

 

Uma forma alternativa à vacinação na clínica é o Atendimento Domiciliar. Aqui na Vip Imune oferecemos o Vip em Casa para que você possa manter seu calendário vacinal em dia, mesmo durante a pandemia. Temos profissionais capacitados e que tomam todos os cuidados necessários para realizar a vacinação na sua casa e te proteger da exposição ao vírus.

Saiba mais sobre o atendimento. Clique aqui para nos chamar no WhatsApp.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
24 jun 2020
teste rápido de covid-19

Atualmente estamos vivendo uma pandemia mundial de COVID-19, doença causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2). A COVID-19 é uma doença respiratória de fácil transmissão e com evolução rápida, seu período de incubação varia de 2 a 14 dias, sendo de 5 dias em média. Os sintomas surgem após esse período e geralmente persistem por 5 a 7 dias. Após sete dias, começa o período de maior transmissibilidade, isto é, quando as pessoas podem passar o vírus para outras pessoas.

Quando devo fazer os testes rápidos (IgM/IgG)?

Recomenda-se que os testes sejam realizados em indivíduos que apresentem ou tenham tido os sintomas da COVID-19 há pelo menos oito dias. Os testes RT-PCR devem ser utilizados quando houver sintomatologia compatível ou houver necessidade de confirmação da infecção. Os testes rápidos (IgM/IgG) têm relevante utilização no mapeamento do status imunológico de uma população que já teve o vírus ou foi exposta a ele. Tal mapeamento pode contribuir de forma positiva no processo de relaxamento das medidas restritivas, ou seja, quando do controle pandêmico, o mapeamento imunológico terá significativa relevância por ocasião do retorno das atividades.

Diagnóstico

O que são testes rápidos (IgM/IgG)?

Esse termo vem sendo usado popularmente para os testes imunocromatográficos. No caso dos testes rápidos para o novo coronavírus, são dispositivos de uso profissional, manuais, de fácil execução, que não necessitam de outros equipamentos de apoio, como os que são usados em laboratórios, e que conseguem dar resultados entre 10 e 30 minutos. Testes rápidos (IgM/IgG) podem auxiliar o mapeamento da população “imunizada” (que já teve o vírus ou foi exposta a ele), mas NÃO têm função de diagnóstico.

O que são testes RT- PCR?

RT-PCR (Reverse Transcription – Polymerase Chain Reaction) é um teste de reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa em tempo real que verifica a presença de material genético do vírus, confirmando que a pessoa se encontra com COVID-19. Os testes de RT-PCR (padrão ouro) e de antígenos têm função diagnóstica, sendo o teste definitivo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os testes rápidos são de uso profissional?

Sim. Os testes rápidos registrados para a COVID-19 são de uso profissional e os seus resultados devem ser interpretados por um profissional de saúde legalmente habilitado e devidamente capacitado, conforme definido pelos conselhos profissionais da área da saúde e por políticas do Ministério da Saúde. Esses testes NÃO devem ser feitos por leigos. Os testes em domicílio podem ser realizados, desde que executados por profissional legalmente habilitado vinculado a um laboratório clínico, posto de coleta ou serviço de saúde pública ambulatorial ou hospitalar.

Leia também: A vacinação é o meio mais importante de proteger a sua empresa

Se o resultado do teste rápido (IgM/IgG) for POSITIVO isso indica que tenho COVID-19?

Não. Testes rápidos (IgM/IgG) NÃO têm função de diagnóstico (confirmação ou descarte) de infecção por Covid-19. O diagnóstico de Covid-19 deve ser feito por testes de RT-PCR.

  • Testes rápidos positivos indicam que você teve contato recente com o vírus (IgM) ou que você já teve COVID-19 e está se recuperando ou já se recuperou (IgG), uma vez que indicam a presença de anticorpos (defesas do organismo). No entanto, os anticorpos só aparecem em quantidades detectáveis nos testes pelo menos oito dias depois da infecção. Ainda assim, o teste pode ser positivo indicando que você teve contato com OUTROS coronavírus e não com o SarsCoV-2/COVID-19 (falso positivo). Assim sendo, esse teste isolado não serve para diagnosticar (confirmar ou descartar) infecção por Covid-19. O diagnóstico da infecção pelo novo coronavírus deve ser feito por testes de RT-PCR.
  • Os testes de RT-PCR (padrão ouro) e de antígenos têm função diagnóstica, sendo o RTPCR o teste definitivo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Aqui na Vip Imune trabalhamos com testes rápidos de COVID-19. Entre em contato para mais informações.

11 3723-2828

11 3723-2827

11 99237-7672

vipimune.com.br

Rua Valdemar Blakauskas, 68 – Morumbi/SP

 

 

Fonte: Anvisa

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
22 jun 2020
Quais vacinas tomar durante a gravidez

Nós já abordamos anteriormente sobre a importância da vacinação durante a gravidez, um cuidado que ajuda a proteger tanto a mãe quanto a criança e que é respaldado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mesmo antes do bebê nascer é importante manter a carteira de vacinação em dia, já que elas são importantes tanto para a feto quanto para a mãe. Por isso, não deixe para depois!

Engana-se quem pensa que vai ter de se preocupar com as vacinas só depois que o bebê nascer. Nada disso! “As vacinas tomadas pela grávida protegem tanto a mãe quanto o filho. Os efeitos são transmitidos via placenta para o feto”, explica o obstetra e ginecologista da Unifesp Alberto Guimarães, autor do livro Parto sem Medo. Saiba para que serve cada vacina e quais são as doses necessárias, segundo o especialista:

Influenza (gripe)

Pode ser tomada a qualquer momento da gestação, mesmo que você tenha sido vacinada anteriormente. A gripe durante a gravidez pode aumentar em até 30% o risco de nascimento prematuro do bebê.

Tríplice bacteriana – (dTpa – difteria, tétano e coqueluche)

Protege a mãe contra as três doenças e o bebê contra o tétano neonatal, que pode ser contraído após o parto se os instrumentos usados para o corte do cordão umbilical estiverem contaminados. No caso da coqueluche, se o bebê for acometido pela doença, ela será mais branda. É indicado tomar entre a 27ª e a 36ª semanas.

Hepatite B

Se a mãe transmitir hepatite B para o filho, ele corre um risco enorme de apresentar cirrose hepática e câncer hepático quando adulto. A imunização é feita em três doses, a partir do 2º trimestre de gestação.

Febre amarela

Em caso de surto da doença na região em que a gestante está, o risco-benefício deve ser avaliado pelo obstetra.

 

 

Fonte: Revista Crescer

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
18 jun 2020

O sarampo já foi uma das maiores causas da mortalidade infantil no Brasil. Em 1992 após a campanha nacional de imunização o número de casos notificados caiu de 42.934 para 7.934.

Em 2018 a taxa de cobertura vacinal no Brasil baixou, foram registrados mais de 10.00 casos e deixamos de ser um país com selo de erradicação de sarampo. Desde então diversas medidas foram adotadas para conter o aumento do número de casos: o Ministério da Saúde introduziu a dose 0 para crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias, aumentou o controle da vacinação de rotina com 12 e 15 meses de idade, orientou a vacinação dos trabalhadores de saúde e completou ou iniciou o esquema de doses de quem tinha a necessidade de vacinação.

Situação Epidemiológica do sarampo no Brasil

Ao contrário do que parece o surto de Sarampo ainda está em curso no Brasil, na região norte, com estatísticas alarmantes, nos primeiros 5 meses foram notificados 10.025 casos de Sarampo.

Leia também: Nove milhões de jovens ainda não têm proteção contra o sarampo

Para conter os números de casos é imprescindível aumentar a cobertura vacinal, a vacina Tríplice Viral está disponível em todo serviço público e privado e todas as crianças maiores de seis meses devem estar vacinadas.

 Recomendações:

  • Fortalecer a Vigilância Epidemiológica do Sarampo e reforçar as equipes de investigação de campo para garantir a investigação oportuna e adequada dos casos notificados.
  • A vacina é a medida preventiva mais eficaz contra o sarampo.
  • Medidas de prevenção de doenças de transmissão respiratória também são válidas e os profissionais devem orientar a população sobre: a limpeza regular de superfícies, isolamento domiciliar voluntário em casa após o atendimento médico, medidas de distanciamento social em locais de atendimento de pessoas com suspeita de doença exantemática, cobrir a boca ao tossir ou espirrar, uso de lenços descartáveis e higiene das mãos com água e sabão e/ou álcool em gel.
  • Importância dos estados e municípios apresentarem Planos para o enfrentamento da doença.

 

 

Fonte:Saúde.gov.br

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
15 jun 2020
mitos e verdades sobre as vacinas

Você já sabe que o compartilhamento de notícias falsas sobre a vacinação tem causado um grande impacto na cobertura vacinal que está baixa em todo território brasileiro. Esse cenário se torna muito perigoso, pois possibilita que doenças que estavam erradicadas retornem e possíveis surtos aconteçam.

É grande a quantidade de fatos desencontrados sobre o tema. Descubra o que é mito e o que é verdade sobre as vacinas para não cair em fake news na Internet

Elas estão no olho do furacão: com surtos de febre amarelasarampogripe e outras moléstias mundo afora, nunca se debateu tanto o papel das vacinas na prevenção e no controle de diversas infecções. Se entre os especialistas não há dúvidas de que essa estratégia foi responsável direta por melhorias na saúde e no aumento da expectativa de vida, alguns boatos teimam em acusá-la das mais terríveis complicações – sem apontar nenhuma evidência séria disso.

“Temos observado de perto esse fenômeno das notícias falsas na nossa área e o impacto que isso tem sobre as decisões das pessoas”, reflete a pediatra Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Um levantamento encomendado pela SAÚDE à Área de Pesquisa e Inteligência de Mercado do Grupo Abril e à empresa de pesquisa digital MindMiners mostrou que cerca de 40% dos 1 500 indivíduos entrevistados por um formulário online não sabem que pessoas com doenças crônicas como asma e diabetes fazem parte de grupos de risco e precisam ficar ligados na vacinação.

Além disso, 46% não têm ciência de que é possível prevenir alguns tipos de câncer causados por micro-organismos com uma picadinha.

Chegou a hora de mergulhar nos dados e esclarecer de vez essas questões. Afinal, a informação correta é a melhor vacina que existe para combater os boatos e as fake news. Confira abaixo 16 mitos e verdades sobre as vacinas:

 

Vacinas são úteis, mas, às vezes, causam mais doenças do que previnem

MITO. Todos esses produtos passam por testes rigorosíssimos antes de chegarem até nós.

 

Pessoas que vivem em harmonia com a natureza e têm pensamento positivo não precisam tomar vacinas

MITO. O contato com a natureza é ótimo. Mas lembre-se de que os micro-organismos causadores de doenças vivem por lá também.

 

Vacinas comumente causam efeitos colaterais perigosos

MITO. Algumas até provocam eventos adversos com certa frequência, mas são leves ou moderados. As reações mais graves são raríssimas e, às veze, estão ligadas a contraindicações. Fale com o médico sobre o assunto.

 

Algumas vacinas ajudam a prevenir câncer

VERDADE. Aquelas que bloqueiam as hepatites e o HPV evitam tumores no fígado e no colo do útero, respectivamente.

 

Quem é saudável não precisa se vacinar

MITO. O imunizante serve justamente para que as pessoas continuem saudáveis e livres de infecções da pesada.

 

Existem vacinas que precisam ser tomadas antes de viagens

VERDADE. Você pode se informar sobre o assunto no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

 

Existem vacinas que precisam ser renovadas de tempos em tempos

VERDADE. É o caso, por exemplo, da que protege contra tétano e difteria, que exige um reforço a cada dez anos.

 

Hoje confio menos nas vacinas do que confiava no passado

MITO. Não há motivo para isso. Essa área de pesquisa avançou nos últimos tempos e a qualidade das formulações só melhorou.

 

Pessoas com doenças crônicas (diabetes, hipertensão…) não podem se vacinar

MITO. Pelo contrário! Esses cidadãos fazem parte do grupo de risco e carecem ter mais atenção ainda com as doses.

 

Não há evidência de que as vacinas sejam seguras e eficazes

MITO. Para serem aprovadas, elas são estudadas em milhares de voluntários e são exigidos resultados satisfatórios.

 

É perigoso tomar várias vacinas de uma vez

MITO. Com raras exceções, não há risco nenhum em adotar essa estratégia. O sistema imune não fica sobrecarregado.

 

Vacinas são um instrumento de controle da indústria farmacêutica

MITO. Pura balela. Os grandes programas de imunização foram responsáveis diretos pelos ganhos globais de saúde.

 

Todas as vacinas estão na rede pública

MITO. Algumas só estão disponíveis em serviços privados, como a do herpes-zóster e a da dengue.

 

Tomar uma dose de uma vacina que prevê mais doses já garante proteção

MITO. É essencial seguir direitinho o esquema das aplicações para ficar livre da ameaça de vírus ou bactérias.

 

Vacina pode causar autismo em crianças

MITO. Inúmeros estudos de altíssima qualidade já comprovaram que essa história é uma mentira deslavada.

 

Se existem outras formas de prevenir uma doença, prefiro segui-las em vez de me imunizar

MITO. Um estilo de vida saudável e hábitos básicos de higiene são vitais. Mas não substituem a vacinação.

 

 

Fonte: Saúde.Abril

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
10 jun 2020
Vacina de Rotavírus

Crianças menores de cinco anos têm grande risco de diarreia causada pela infecção do Rotavírus, doença responsável pela morte de mais de 600 mil pessoas por ano no mundo e 40% das hospitalizações por gastroenterites.

Atualmente existem duas vacinas disponíveis, uma monovalente administrada em duas doses que é oferecida pela rede publica e protege apenas contra um tipo de vírus e uma pentavalente administrada em três doses oferecida pela rede privada.

Alguns estudos demonstram que quando mantida a alta taxa de cobertura a proteção se estende para outas faixas etárias, incluindo adultos e idosos. Isso é conhecido como a Estratégia Cocoon, já falamos sobre isso aqui.

Como em todas as vacinas existe possibilidade de reação adversa após a vacinação, as mais comuns são: irritabilidade, febre leve, náusea e diarreia.

Outras formas de prevenção contra o Rotavírus estão relacionadas a práticas de higiene adequada.

Invaginação intestinal

A primeira vacina contra o Rotavírus licenciada no mercado norte-americano teve o seu uso suspenso após o aumento do registro de invaginação intestinal pós-vacinação. Isso desencadeou o aumento do rigor nos testes pré e pós-comercialização das vacinas de Rotavírus, aumentando significativamente a segurança da mesma.

Em 2011 um estudo publicado na New England Journal of Medicine demonstrou que o número de eventos adversos é irrelevante perto da eficácia da vacina.

Recomendações

Segundo a SBim (Sociedade Brasileira de Imunizações) são consideradas precauções para o uso das vacinas Rotavírus:

• Doença aguda moderada ou grave com ou sem febre;
• Outras imunodeficiências;
• Doenças gastrointestinais (GI) crônicas;
• Malformações congênitas intestinais e urinárias como espinha bífida e extrofia de bexiga.

Não existem estudos que correlacionem o aumento de alergia à proteína do leite como reação pós-vacinação contra o Rotavírus, porém a vacinação deve ser adiada caso a criança apresente algum quadro clínico intestinal.

 

 

Fonte: SBim

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
04 jun 2020
Importância da vacinação

Apesar de ser um tema muito abordado em diversas mídias, muitas pessoas ainda se perguntam se a vacinação é realmente necessária. Por esse motivo é importante ressaltar a importância e necessidade da vacinação sempre que houver oportunidade.

O ditado popular “melhor prevenir do que remediar” se aplica perfeitamente à vacinação. Muitas doenças comuns no Brasil e no mundo deixaram de ser um problema de saúde pública por causa da vacinação massiva da população. Poliomielite, sarampo, rubéola, tétano e coqueluche são só alguns exemplos de doenças comuns no passado e que as novas gerações só ouvem falar em histórias. O resultado da vacinação não se resume a evitar doença. Vacinas salvam vidas.

Mas como a vacina ajuda o nosso sistema imunológico?

Quando uma pessoa é infectada pela primeira vez por um antígeno (substância estranha ao organismo), como o vírus do sarampo, o sistema imunológico produz anticorpos (proteínas que atuam como defensoras no organismo) para combater aquele invasor. Mas essa produção não é feita na velocidade suficiente para prevenir a doença, uma vez que o sistema imunológico não conhece aquele invasor. Por isso, a pessoa fica doente, podendo levar à morte. Mas se, anos depois, aquele organismo invadir o corpo novamente, o sistema imunológico vai produzir anticorpos em uma velocidade suficiente para evitar que a pessoa fique doente uma segunda vez. Essa proteção é chamada de imunidade.

O que a vacina faz é gerar essa imunidade. Com os mesmos antígenos que causam a doença, mas enfraquecidos ou mortos, a vacina ensina e estimula o sistema imunológico a produzir os anticorpos que levam à imunidade.

Portanto, a vacina faz as pessoas desenvolverem imunidade sem ficar doente.

Doenças controladas podem voltar

Muitas doenças infecciosas estão ficando raras. Pessoas nascidas a partir de 1990 podem nunca ter tido contato com pessoas com sarampo ou rubéola e, definitivamente, de poliomielite. Isso porque as constantes ações de vacinação foram capazes de controlar e eliminar essas doenças do Brasil.

Leia também: O que é meningite: Causas, sintomas, tratamentos e a vacina

Então, não preciso vacinar meu filho contra essas doenças? Precisa sim. Essas doenças ainda fazem vítimas em outros lugares do mundo. Com a globalização, as pessoas passam por vários continentes em uma única semana. Se não estiver vacinada, ela pode trazer a doença para o Brasil e transmitir para alguém que não esteja imunizada.

Pessoas não vacinadas, portanto, podem ser a porta de entradas de doenças eliminadas no Brasil.

Como eu posso saber se as vacinas são seguras?

Com as vacinas conseguimos erradicar a varíola e controlar diversas doenças, como a poliomielite (paralisia infantil), o sarampo, a coqueluche e a difteria, entre outras. Com isso, as vacinas protegem com segurança.  Eventuais reações, como febre e dor local, podem ocorrer após a aplicação de uma vacina, mas os benefícios da imunização são muito maiores que os riscos dessas reações temporárias.

É importante saber também que toda vacina licenciada para uso passou antes por diversas fases de avaliação, desde os processos iniciais de desenvolvimento até a produção e a fase final que é a aplicação, garantindo assim sua segurança. Além disso, elas são avaliadas e aprovadas por institutos reguladores muito rígidos e independentes. No Brasil, essa função cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão do Ministério da Saúde (MS). E não é só isso. A vigilância de eventos adversos continua acontecendo depois que a vacina é licenciada, permitindo a continuidade de monitoramento da segurança do produto.

 

Fonte: Saude.Gov.br

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail