30 nov 2020

Nos primeiros meses de vida é importante alimentar o bebê somente com o leite materno, pois isso pode protegê-lo contra diversas doenças, entre elas as infecções gastrointestinais bacterianas. Essa proteção ocorre porque através da amamentação a mãe transfere fatores imunológicos para a criança. O leite materno também diminui a agressividade do agente infeccioso.

No entanto, o aleitamento materno sozinho não é suficiente para protegê-lo contra todas as doenças. Por isso, é fundamental realizar a vacinação de seu bebê. Se ele mama no peito, vai responder mais rapidamente ao efeito das vacinas, produzindo anticorpos.

Portanto, todas as crianças devem receber todas as vacinas, independente de serem ou não alimentadas com leite materno. A proteção transmitida pelo leite materno é diferente daquela produzida pelas vacinas.

Qual a diferença entre a proteção oferecida pelo aleitamento materno e vacinas?

Leite Materno

O bebê deve mamar logo após o nascimento. O leite dos primeiros dias após o parto é chamado de colostro e oferece grande proteção contra infecções. Dizemos que o colostro é a “primeira vacina” do bebê.

Vacina

Estimula o organismo a criar agentes específicos presente na vacina, ou seja, a proteção oferecida é específica.

Portanto, é importante estimular a amamentação e a vacinação para que a criança alcance a proteção adequada.

O aleitamento materno pode transmitir alguma infecção?

Sim, pode. O HIV é um exemplo. Por isso, gestantes devem fazer teste de HIV no pré-natal, e mulheres que estão amamentando devem saber que podem se infectar após a gestação e transmitir o vírus ao seu bebê. O aleitamento cruzado (aquele que não é ofertado pela mãe do bebê) deve ser evitado.

Leia também: Importância da vacinação durante a gestação
O vírus da hepatite B é outro que também pode ser transmitido pelo leite materno. Como prevenção, todos os lactentes devem ser imunizados contra a doença logo ao nascer, ainda na maternidade. Caso a mãe seja portadora do vírus o bebê deve receber a vacina e também a imunoglobulina específica contra a hepatite B.

Orientações pra amamentação e vacinação

Febre amarela

A SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) recomenda que o aleitamento seja suspenso por 10 dias caso a mãe necessite tomar a vacina antes de a criança completar seis meses de vida, é importante que a mãe que deseja continuar amamentando após a pausa continue estimulando a ordenha, a fim de evitar complicações para amamentação no futuro.

Vacinas Orais

Não há interferência do aleitamento materno na resposta a nenhuma das vacinas. Elas devem ser fornecidas para todas as crianças, independente do aleitamento materno.

 

FontesSBP/SBP Pediatria

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail