04 jan 2021

Quando se fala em saúde, prevenção de doenças e tratamento, as pessoas costumam pensar na saúde do corpo e acabam se esquecendo de que é necessário cuidar da saúde mental também. A saúde mental refere-se à ao estado emocional, neurológico, comportamental, sentimental e fisiológico do indivíduo, mas remete também à sua subjetividade, ao autoconhecimento e as necessidades psicológicas de cada pessoa.

O Brasil está no 11º lugar do ranking de países mais ansiosos do mundo: são 13,2 milhões de pessoas com algum transtorno de ansiedade por aqui.

 

Por que janeiro?

A escolha do mês de janeiro não é por acaso: o período de fim de ano e início de um novo pode causar ou aumentar a ansiedade pela frustração de não ter cumprido metas ou anseio por mudanças. Embora seja liderada por psicólogos e outros profissionais da área, a ideia é que, aos poucos, uma cultura da saúde mental seja fortalecida e disseminada na sociedade brasileira, com desmistificação de crenças populares sobre o assunto

Leia também: Coronavírus: Como cuidar da saúde mental em tempos de pandemia

 

A saúde mental deve ser uma prioridade de todos e uma pauta constante na sociedade. Além de apoio – através de atendimento acessível e interdisciplinar – aos que precisam e às suas famílias, a prevenção é outra bandeira levantada pela campanha Janeiro Branco. É preciso dar a devida relevância ao tema, propor discussões e buscar alternativas para que os números se reduzam quanto às doenças, distúrbios e limitações.

 

Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a saúde mental depende do bem-estar físico e social, lembrando que o conceito de saúde engloba muito mais do que apenas a saúde física. O conceito de saúde adotado pela OMS é que “Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença.”

 

 

 

Fonte: Revista Galileu

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail