09 fev 2021
Vacina herpes zóster

Entenda como funciona, conheça as contraindicações e saiba para qual idade é recomendada a aplicação da vacina herpes zóster

A vacina herpes zóster tem o objetivo de combater a reativação do vírus da varicela no organismo humano e assim evitar as erupções cutâneas dolorosas causadas pela infecção, que também é popularmente chamada de cobrão ou cobreiro.

Vale destacar que a herpes zóster pode acometer pessoas em qualquer idade, mas é mais frequente em homens ou mulheres a partir dos 60 anos.

Felizmente, a doença pode ser evitada pela vacina e, por isso, preparamos tudo o que você precisa saber sobre o tema. Continue a leitura!

Leia também: Depressão pós-parto: conheça as causas, sintomas e o tratamento

Entenda como a doença é desenvolvida

Qualquer pessoa que já teve catapora pode desenvolver a herpes zóster, mas as causas que levam a essa reativação do vírus ainda não são conhecidas.

As pequenas feridas, conhecidas como bolhas, aparecem na pele, especialmente na região do tronco, duram semanas e, geralmente, desaparecem sozinhas.

Apesar de sumirem espontaneamente, essas feridas causam fortes dores chamadas de nevralgia herpes zoster ou nevralgia pós-herpética, que dificultam atividades comuns como caminhar e dormir, por exemplo.

Esses sintomas de dores na região das bolhas podem durar meses e até anos, mesmo após a cicatrização das feridas. Por isso, a importância da vacina herpes zóster.

Saiba como funciona a vacina herpes zóster

A vacina herpes zóster é composta por vírus vivos atenuados da varicela zóster (VVZ) e cepa Ola/Merck, sacarose, gelatina, ureia, cloreto de sódio, levoglumato de sódio monoidratado, fosfato de sódio dibásico, fosfato de potássio monobásico, cloreto de potássio, traços de neomicina e de soro de bezerro e água para injeção. Não contém conservantes.

Essa composição está licenciada para pessoas a partir dos 50 anos e é recomendada como rotina para maiores de 60 anos de idade.

Vale ainda destacar que a vacina herpes zóster é segura e foi avaliada em mais de 50 mil pessoas acima de 50 anos e, inclusive, em indivíduos entre 60 e 80 anos.

Entre as poucas reações sentidas por uma parcela mínima dos testados estão:

  • Febre em menos de 1% dos vacinados
  • Sintomas respiratórios em 1,7% dos vacinados
  • Diarreia em 1,5% dos que receberam a vacina herpes zóster
  • Alterações na pele em 1,1%
  • Cansaço em 1%

Cuidados antes da aplicação da vacina herpes zóster

A vacina herpes zóster não requer cuidado especial antes da aplicação, mas é preciso adiá-la em caso de doença febril aguda ou para indivíduos que tiveram a infecção em um período inferior a 12 meses.

Pessoas portadoras do vírus HIV devem ser avaliadas por um médico para saber se podem receber a vacina sem comprometer o sistema imunológico.

Por fim, até o momento, ainda não foram diagnosticados casos de transmissão do vírus vacinal por indivíduos que receberam a dose da vacina herpes zóster.

Conheça os casos em que a vacina herpes zóster é contraindicada

Um grupo pequeno de pessoas tem contraindicação para receber a aplicação da vacina herpes zóster. Veja:

  • Pessoas imunodeprimidas
  • Alergia grave (anafilaxia) a algum dos componentes da vacina
  • Pessoas com tuberculose ativa não tratada
  • Gestantes

Leia também: Calendário Vacinal Atrasado Durante A Pandemia: O Que Fazer

Conheça a VIP Imune

Agora que você já sabe tudo sobre a vacina herpes zóster, é importante conhecer a melhor clínica para a aplicação da dosagem e para seguir corretamente o calendário de vacinação.

Nesse sentido, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a aplicação da vacina herpes zóster.

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
02 fev 2021
vacina da COVID-19

Da necessidade até a produção em massa, saiba como foi conduzido o processo de desenvolvimento da vacina da COVID19

 

A vacina da COVID-19 já começou a ser aplicada em diversos países, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. 

No Brasil, até o momento desta publicação, apenas os profissionais da saúde, que estão na linha de frente no combate à doença, começaram a receber a primeira dose.

Inclusive, vale destacar que, atualmente, pelo menos 1,2 milhões de pessoas já foram vacinadas contra o novo coronavírus no Brasil, de acordo com levantamento da CNN.

Mas você sabe como foi desenvolvida a vacina da COVID-19? Continue a leitura e conheça todos os passos, desde a pesquisa, testes em humanos e até a produção em massa.

Leia também: Calendário Vacinal Atrasado Durante A Pandemia: O Que Fazer

Entenda o processo de desenvolvimento da vacina da COVID-19

Necessidade

Primeiramente, é importante entender que essa é a maior pandemia da história moderna, a última foi a Gripe Espanhola em 1918.

Nesse contexto, o coronavírus, além do grande problema de saúde mundial, causou uma recessão econômica global sem precedentes e forçou a aceleração do desenvolvimento da vacina da COVID-19.

Desse modo, a dedicação contínua de pesquisas somada aos avanços tecnológicos para o desenvolvimento de medicações, mais o aporte financeiro de governos e empresas privadas fez com que a vacina da COVID-19 estivesse pronta em tempo recorde.

Pesquisa

No entanto, o primeiro passo para o desenvolvimento de uma vacina é a pesquisa, que é um processo restrito aos laboratórios que realizam os estudos e as análises iniciais.

O agente responsável pela doença é identificado e são ponderadas até centenas de moléculas e métodos para se definir a melhor composição da vacina.

Pré-clínica

A segunda etapa para o desenvolvimento da vacina da COVID-19 é a de pré-clínica. Aqui, após os primeiros testes realizados in vitro ou com células, animais começam a receber os experimentos para comprovar os dados obtidos inicialmente.

Nesse caso, geralmente, são usados camundongos e macacos, que têm organismos que reagem de maneira semelhante ao corpo humano.

Ainda assim, por mais que os resultados sejam encorajadores, não há garantia de que a vacina não cause danos quando aplicada em humanos. É para isso que ainda existe uma próxima etapa.

Clínica

A fase clínica é a mais complexa e demorada, pois é quando o produto começa a ser testado em seres humanos. Esse processo clínico se divide em três fases:

Fase 1

Tem como principal objetivo analisar a segurança do imunizador. São testados poucos voluntários, de 20 a 80 pessoas, geralmente adultos saudáveis. 

São levados em consideração potenciais efeitos colaterais, intensidade do produto e diferentes dosagens para evitar quaisquer danos. 

Além disso, já são possíveis algumas observações a respeito da resposta imunológica da vacina.  

Fase 2

Busca entender de maneira mais concreta a eficácia da vacina da COVID-19. Aqui, a quantidade de voluntários testados aumenta e pode chegar a centenas de pessoas. 

Os pesquisadores já têm conhecimento de dados importantes, como dosagem e efeitos colaterais esperados, por isso, o grupo a ser testado se torna mais heterogêneo, com pacientes considerados de risco. 

Para melhor análise da resposta imunológica, muitas vezes são utilizados grupos de controle – medicados apenas com placebo. Isso ajuda a observar de forma mais detalhada a eficácia da vacina e a reação do organismo. 

Ainda são consideradas observações sobre sua segurança – como possíveis efeitos colaterais mais raros, que não apareceram durante a primeira fase de testes, e podem resultar em um ajuste na dosagem.

Fase 3

Avalia a eficiência e a segurança da vacina no público-alvo. A testagem envolve milhares de pessoas e as análises são levantadas a partir da observação da vacina no mundo real, ou seja, é esperado que os voluntários se exponham ao vírus para entender a eficácia do produto. 

Aqui, o uso do placebo é essencial para comparação dos resultados dos dois grupos. Para isso, existe um sistema chamado “duplo-cego”, no qual nem o cientista nem o voluntário sabem se a aplicação é da vacina ou do composto ineficaz. 

Assim, não há nenhuma mudança de comportamento que possa afetar os resultados. A exposição ao vírus deve acontecer por conta própria – por esse motivo, a terceira fase poderia durar anos.

Mas com a necessidade atual e com o aporte financeiro, esse processo foi acelerado para que o produto final chegasse o quanto antes à população. 

Nessa fase, os pesquisadores costumam procurar áreas de maior incidência da doença, com maiores riscos de contágio. 

Só após esta etapa e a aprovação dos órgãos regulatórios, a fabricação da vacina da COVID-19 começou a ser produzida em maior escala, seguida pela distribuição. 

Vale destacar que, mesmo depois de aprovada, a vacina segue em constante avaliação e observação.

Você pode se interessar por: Depressão pós-parto: conheça as causas, sintomas e o tratamento

Conheça a Vip Imune

Agora que você já sabe como foi conduzido o processo de desenvolvimento da vacina da COVID-19, é importante conhecer instituições sólidas e experientes que oferecem um plano completo de imunização

Nesse sentido, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua imunização, de acordo com o calendário de vacinação.

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
12 jan 2021
Depressão pós-parto

Além das causas, sintomas e tratamento, saiba quais são os hábitos saudáveis que auxiliam na prevenção da depressão pós-parto

 

A depressão pós-parto, como o próprio nome já diz, acomete uma mãe logo após o nascimento do bebê com sintomas como tristeza, indisposição e desmotivação, além de choros frequentes e alterações de humor.

De acordo com o último levantamento da Organização Mundial de Saúde, a depressão pós-parto atinge aproximadamente 25% das mães no mundo todo

No Brasil, o número é um pouco maior, 26,3% das mães têm depressão pós-parto, segundo o estudo Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: The Birth in Brazil National Research Study.

Diante disso, preparamos esse conteúdo com tudo o que você precisa saber sobre este assunto. Confira a seguir.

O que é depressão pós-parto?

A depressão pós-parto é causada por alterações hormonais que acontecem no término da gravidez. Essas alterações acontecem com todas as grávidas, mas as mães que sentem os sintomas com mais intensidade são as que, geralmente, desenvolvem este problema de saúde.

Vale destacar que a depressão pós-parto não se trata de caráter ou fraqueza, é uma questão de saúde e o diagnóstico e tratamento imediatos ajudam a diminuir os sintomas brevemente.

Saiba quais são as causas da depressão pós-parto

Não existe uma única causa, é um conjunto de fatores físicos, emocionais e de estilo de vida aliados à alteração hormonal do final do período de gestação que provocam a depressão pós-parto.

No entanto, existem alguns fatores de risco que podem indicar a probabilidade maior de uma mãe ter esse problema de saúde. Confira:

  • Histórico de depressão pós-parto em gestações anteriores
  • Falta de apoio da família, amigos e do parceiro
  • Estresse, como problemas financeiros ou na própria gravidez, por exemplo
  • Limitações físicas durante a gravidez ou após o nascimento do bebê
  • Histórico de depressão antes ou durante o período gestacional
  • Transtorno bipolar
  • Histórico de desordem disfórica pré-menstrual (PMDD)
  • Violência doméstica

Fatores de Risco e Proteção Associados à Depressão Pós-Parto no Pré-Natal

Conheça quais são os sintomas

Os sintomas mais comuns são o sentimento de tristeza e desespero constante, além da perda de interesse e não sentir disposição para realizar qualquer atividade.

Além disso, algumas pessoas com sintomas mais graves ainda podem pensar em suicídio e em ações que possam prejudicar os bebês.

Dos sintomas comuns diários da depressão pós-parto ainda destacam-se:

  • Perda ou ganho de peso
  • Alterações de apetite
  • Problemas de sono
  • Indisposição
  • Cansaço e falta de energia e disposição
  • Sentimento de culpa
  • Dificuldade de concentração e para tomar decisões
  • Ansiedade
  • Excesso de preocupação

Entenda qual é o tratamento para depressão pós-parto

As mães que sentem alguns desses sintomas devem procurar ajuda profissional para que o tratamento se inicie rapidamente.

Para o tratamento, geralmente, são utilizados antidepressivos e até a terapia hormonal para casos de moderados a graves, além de orientação e suporte psicológico ou até psicoterapia.

Assim, as mães devem sentir a melhora em até 8 semanas após o início do tratamento, que pode levar de 6 a 8 meses, dependendo do diagnóstico realizado pelo médico especialista.

Existe algum método de prevenção contra a depressão pós-parto?

A prevenção 100% eficaz não existe, mas hábitos saudáveis ajudam a evitar a depressão. Confira algumas dicas:

  • Mantenha a alimentação saudável
  • Realize exercícios físicos próprios para gestantes
  • Evite cafeína e medicamentos que não sejam os recomendados pelo seu médico
  • Não consuma álcool
  • Não fume
  • Ter bons hábitos como ficar longe do celular no período noturno contribui para um sono melhor

Conte com a Vip Imune

Agora que você já sabe tudo sobre a depressão pós-parto, também é importante conhecer instituições que garantam a saúde do seu bebê e, consequentemente, te deixem mais segura e tranquila. 

Nesse sentido, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar, agregando valor, qualidade e informação a todos.

A Vip Imune conta com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado nos cuidados com você e com o seu bebê.Entre em contato com os nossos profissionais e programe as imunizações, sua e do seu bebê, de acordo com o calendário de vacinação.

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
04 jan 2021
saúde mental

Quando se fala em saúde, prevenção de doenças e tratamento, as pessoas costumam pensar na saúde do corpo e acabam se esquecendo de que é necessário cuidar da saúde mental também. A saúde mental refere-se à ao estado emocional, neurológico, comportamental, sentimental e fisiológico do indivíduo, mas remete também à sua subjetividade, ao autoconhecimento e as necessidades psicológicas de cada pessoa.

O Brasil está no 11º lugar do ranking de países mais ansiosos do mundo: são 13,2 milhões de pessoas com algum transtorno de ansiedade por aqui.

 

Por que janeiro?

A escolha do mês de janeiro não é por acaso: o período de fim de ano e início de um novo pode causar ou aumentar a ansiedade pela frustração de não ter cumprido metas ou anseio por mudanças. Embora seja liderada por psicólogos e outros profissionais da área, a ideia é que, aos poucos, uma cultura da saúde mental seja fortalecida e disseminada na sociedade brasileira, com desmistificação de crenças populares sobre o assunto

Leia também: Coronavírus: Como cuidar da saúde mental em tempos de pandemia

 

A saúde mental deve ser uma prioridade de todos e uma pauta constante na sociedade. Além de apoio – através de atendimento acessível e interdisciplinar – aos que precisam e às suas famílias, a prevenção é outra bandeira levantada pela campanha Janeiro Branco. É preciso dar a devida relevância ao tema, propor discussões e buscar alternativas para que os números se reduzam quanto às doenças, distúrbios e limitações.

 

Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a saúde mental depende do bem-estar físico e social, lembrando que o conceito de saúde engloba muito mais do que apenas a saúde física. O conceito de saúde adotado pela OMS é que “Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença.”

 

 

 

Fonte: Revista Galileu

 

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
10 dez 2020
Calendário vacinal atrasado

As recomendações de distanciamento social e isolamento acarretaram a redução da busca por vacinação em 2020. Dessa forma, as coberturas vacinais estão apresentando baixos índices e grande parte da população está com o calendário vacinal atrasado.

 

No início de junho de 2020, a COVID-19 já era responsável pela morte de mais de 386 mil pessoas em todo o mundo. Uma onda de surtos de sarampo, desencadeada no rastro da pandemia, pode representar outra grande ameaça à saúde global.1 Entre janeiro e outubro de 2020 mais de 8.000 casos de sarampo foram confirmados no brasil.

Sendo assim, a preocupação é de que as baixas taxas de cobertura vacinal e a reabertura das creches resultem em uma sobrecarga do sistema de saúde que já está afetado pela COVID-19.

Quando os sistemas de saúde estão sobrecarregados, aumentam de forma significativa tanto a mortalidade direta causada pela pandemia, como a mortalidade indireta causada pelas doenças imunopreveníveis e tratáveis.2

 

A febre amarela também preocupa. Até maio de 2020, 56 municípios estavam afetados pela doença, distribuídos nos estados do Paraná (38), São Paulo (4), Santa Catarina (13) e Pará (1), além de 153 municípios ampliados (circunvizinhos) localizados nos estados do Paraná (68), São Paulo (37), Santa Catarina (38) e Pará (10) ─ todos incluídos na estratégia de intensificação da vacinação do Ministério da Saúde em área de risco.3

 

Mantenha o calendário vacinal em dia

Dessa forma, são necessárias ações para que a vacinação seja incentivada, para isso podemos acelerar os calendários vacinais, respeitando a idade e os intervalos mínimos entre doses e estimular a multivacinação (aplicação do maior número possível de vacinas na mesma visita).

Mesmo durante a pandemia da COVID-19, as doenças infecciosas que podem ser evitadas com vacinas continuam colocando você e sua família em risco. As vacinas são seguras e não aumentam o risco para a COVID-19. Portanto, mantenha sua vacinação em dia.4

 

 

Referências:

1  Johns Hopkins Hospital. Coronavírus Resource Center. [Acesso em 2020 mai 31]. Disponível em https://coronavirus.jhu.edu/map.html.

2 Organização Pan-Americana da Saúde. O programa de imunização no contexto da pandemia de COVID-19. 2020 mar 26. [acesso em 2020 mai 4]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/51984/OPASBRACOVID1920036_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y. 3.

3 Measles & Rubella Initiative. More than 117 million children at risk of missing out on measles vaccines, as COVID-19 surges. UNICEF. 2020 abr 3. [acesso em 2020 mai 4]. Disponível em: https://www.unicef.org/press-releases/more-117-million- -children-risk-missing-out-measles-vaccines-covid-19-surges.

4 https://sbim.org.br/images/files/cartilha-campanha-sbim-sbp-unicef-200611b-web.pdf

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
30 nov 2020
aleitamento materno e vacinas

Nos primeiros meses de vida é importante alimentar o bebê somente com o leite materno, pois isso pode protegê-lo contra diversas doenças, entre elas as infecções gastrointestinais bacterianas. Essa proteção ocorre porque através da amamentação a mãe transfere fatores imunológicos para a criança. O leite materno também diminui a agressividade do agente infeccioso.

No entanto, o aleitamento materno sozinho não é suficiente para protegê-lo contra todas as doenças. Por isso, é fundamental realizar a vacinação de seu bebê. Se ele mama no peito, vai responder mais rapidamente ao efeito das vacinas, produzindo anticorpos.

Portanto, todas as crianças devem receber todas as vacinas, independente de serem ou não alimentadas com leite materno. A proteção transmitida pelo leite materno é diferente daquela produzida pelas vacinas.

Qual a diferença entre a proteção oferecida pelo aleitamento materno e vacinas?

Leite Materno

O bebê deve mamar logo após o nascimento. O leite dos primeiros dias após o parto é chamado de colostro e oferece grande proteção contra infecções. Dizemos que o colostro é a “primeira vacina” do bebê.

Vacina

Estimula o organismo a criar agentes específicos presente na vacina, ou seja, a proteção oferecida é específica.

Portanto, é importante estimular a amamentação e a vacinação para que a criança alcance a proteção adequada.

O aleitamento materno pode transmitir alguma infecção?

Sim, pode. O HIV é um exemplo. Por isso, gestantes devem fazer teste de HIV no pré-natal, e mulheres que estão amamentando devem saber que podem se infectar após a gestação e transmitir o vírus ao seu bebê. O aleitamento cruzado (aquele que não é ofertado pela mãe do bebê) deve ser evitado.

Leia também: Importância da vacinação durante a gestação
O vírus da hepatite B é outro que também pode ser transmitido pelo leite materno. Como prevenção, todos os lactentes devem ser imunizados contra a doença logo ao nascer, ainda na maternidade. Caso a mãe seja portadora do vírus o bebê deve receber a vacina e também a imunoglobulina específica contra a hepatite B.

Orientações pra amamentação e vacinação

Febre amarela

A SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) recomenda que o aleitamento seja suspenso por 10 dias caso a mãe necessite tomar a vacina antes de a criança completar seis meses de vida, é importante que a mãe que deseja continuar amamentando após a pausa continue estimulando a ordenha, a fim de evitar complicações para amamentação no futuro.

Vacinas Orais

Não há interferência do aleitamento materno na resposta a nenhuma das vacinas. Elas devem ser fornecidas para todas as crianças, independente do aleitamento materno.

 

FontesSBP/SBP Pediatria

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
23 nov 2020
tétano

O tétano é uma infecção bacteriana que acontece após um ferimento que se dá como consequência de um ferimento com superfície infectada com esporos da bactéria, dessa forma a bactéria se aproveita da abertura feita e entra direto na corrente sanguínea.

É uma doença infecciosa grave, não contagiosa, causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium tetani. Essa bactéria é encontrada nas fezes de animais e de seres humanos, na terra, nas plantas, em objetos e pode contaminar as pessoas que tenham lesões na pele (feridas, arranhaduras, cortes, mordidas de animais etc.), pelas quais o microrganismo possa penetrar, provocando o tétano acidental.

Sintomas

A toxina produzida pela bactéria ataca, principalmente, o sistema nervoso central, provocando:

– Rigidez muscular em todo o corpo, mas principalmente no pescoço;
– Dificuldade para abrir a boca e para engolir;
– Riso convulsivo, involuntário, produzido por espasmos dos músculos da face.

A contratura muscular pode atingir os músculos respiratórios e pôr em risco a vida da pessoa.

Tratamento

O tétano é uma doença grave e às vezes fatal, caso a pessoa não seja atendida prontamente num hospital. No tratamento, são utilizados antibióticos, relaxantes musculares, sedativos, imunoglobulina antitetânica e, na falta dela, soro antitetânico.

Prevenção

O tétano é uma doença que pode ser evitada desde que alguns cuidados sejam observados:

– Manter o esquema de vacinação em dia. Crianças com até cinco anos de idade devem receber a vacina tríplice contra tétano e, a partir dessa idade, a vacina dupla (contra difteria e tétano). Muitos adultos jamais tomaram a vacina dupla e, mesmo os que já tomaram, costumam esquecer-se das doses de reforço, que devem ser tomadas a cada dez anos para garantir a proteção contra a doença e podem ser obtidas em qualquer posto de saúde;
– Limpar cuidadosamente com água e sabão todos os ferimentos para evitar a penetração da bactéria;
– No são apenas pregos e cercas enferrujadas que podem provocar a doença. A bactéria do tétano pode ser encontrada nos mais diversos ambientes.

Tétano neonatal

É uma doença infecciosa grave, não contagiosa, que acomete o recém-nascido nos primeiros 28 dias de vida, tendo como sintoma inicial dificuldade de sucção, irritabilidade e choro constante. É causada pela mesma bactéria que produz o tétano acidental e pode ser evitada pela vacinação adequada da mãe. Os filhos de mães vacinadas nos últimos cinco anos com três doses da vacina apresentam imunidade até os dois meses de idade.

Fatores de risco para o tétano neonatal

– Baixas coberturas da vacina antitetânica nas mulheres em idade fértil;
– Partos domiciliares assistidos por parteiras tradicionais ou outros sem capacitação e sem instrumentos adequados;
– Ausência ou baixa qualidade do acompanhamento pré-natal;
– Alta hospitalar precoce e acompanhamento deficiente do recém-nascido e da puérpera;
– Hábitos culturais associados a cuidados inadequados de higiene com o coto umbilical e com o recém-nascido.

 

 

Fonte: Ministério da Saúde

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
20 nov 2020
difteria

A difteria é uma infecção grave que atinge nariz e garganta, a doença se manifesta por meio de placas esbranquiçadas nas amígdalas ou na laringe. É causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae que vive no nariz, na boca e garganta de pessoas infectadas. Geralmente os principais sintomas são febre e calafrios, mas pode gerar graves complicações, como a insuficiência cardíaca e paralisia.

Sobre a transmissão

A transmissão acontece por meio de via aérea respiratória, através das gotículas eliminadas pela tosse, espirro ou fala. Sendo assim, é importante saber que a transmissão pode ser feita até mesmo por assintomáticos, o processo de infecção e transmissão pode durar até 6 meses.

Entretanto, a doença não torna as pessoas que já se contaminaram imunes e por isso é importante se vacinar a cada dez anos. Com a finalidade do controle da infecção, é importante que pelo menos 80% da população esteja vacinada contra a difteria.

Nesse sentido, a doença tem maior incidência em regiões com cobertura vacinal baixa, locais onde não há acesso à uma boa condição sanitária e com aglomeração de pessoas.

Existe alguma época do ano que a difteria é mais suscetível?

difteria ocorre durante todos os períodos do ano e pode afetar todas as pessoas que não são vacinadas, de qualquer idade e de qualquer sexo.
Acontece com mais frequência nos meses frios e secos (outono e inverno), quando é mais comum a ocorrência de infecções respiratórias, principalmente devido à aglomeração em ambientes fechados, que facilitam a transmissão da bactéria.

Como se prevenir?

A melhor forma de combater a doença é através da vacinação, que pode ser iniciada aos dois meses de vida e ao completar o esquema básico é reforçada a cada 10 anos.

Doses

· 1° Dose

Esta é recomendada a partir das seis semanas de idade, com duas doses adicionais em quatro semanas, após o qual tem cerca de 95% de eficácia durante a infância.

· 2° Dose

Além das primeiras doses, são recomendadas mais três doses durante a infância. As doses de reforço a cada dez anos não são mais recomendadas.
*A vacina é segura na gravidez e entre aqueles que têm uma função imune deficiente.

 

Fonte: Vitta

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
16 nov 2020
Coqueluche

A coqueluche ou “tosse comprida” como é conhecida popularmente, é uma doença bastante conhecida por uma sequência de tosse seca intercalada pela ingestão de ar que provoca uma espécie de chiado. Sendo assim, essa tosse pode resultar em apneia e prejuízo da oxigenação do sangue.  Além da respiração, esse processo também prejudica a alimentação e pode causar ainda pneumonia, convulsões, comprometimento do sistema nervoso e morte.

Coqueluche em bebês

Mortes associadas à doença são raras, mas podem acontecer principalmente em bebês. Por isso, é muito importante que grávidas e outras pessoas que entrarão em contato com uma criança recém-nascida sejam vacinadas contra a coqueluche (vacina tríplice bacteriana).

Sintomas

A doença evolui em três fases sucessivas. A fase catarral inicia-se com manifestações respiratórias e sintomas leves, que podem ser confundidos com uma gripe: febre, coriza, mal-estar e tosse seca. Em seguida, há acessos de tosse seca contínua. Na fase aguda, os acessos de tosse são finalizados por inspiração forçada e prolongada, vômitos que provocam dificuldade de beber, comer e respirar. Na convalescença, os acessos de tosse desaparecem e dão lugar à tosse comum. Bebês menores de seis meses são os mais propensos a apresentar formas graves da doença, que podem causar desidratação, pneumonia, convulsões, lesão cerebral e levar à morte.

Fatores de risco

Menor efeito da vacinação após anos: Os dois principais fatores de risco para se contrair coqueluche são referentes à vacinação. Pode ser que a vacina que você tomou quando bebê pare de fazer efeito com o passar dos anos, tornando você suscetível à doença novamente.

Falta de vacinação: Além disso, as crianças não são totalmente imunes à coqueluche até que tenham recebido as três doses necessárias da vacina pentavalente (aquela que previne contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus influenzae B). Em alguns casos, pode ser que ela contraia a doença nesse intervalo.

Prevenção da coqueluche

A melhor forma de prevenir a coqueluche é através da vacinação. No Brasil, há duas vacinas que evitam o contágio da doença e que são oferecidas gratuitamente em postos de saúde por todo o país.

É importante notar que a imunização não oferece proteção permanente contra a doença, podendo durar até dez anos sem prejuízos. No entanto, pessoas vacinadas dificilmente contraem coqueluche ao longo da vida.

Vacina pentavalente: a vacina pentavalente é dada em três doses diferentes e previne contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus influenzae B.

  • Primeira dose: aos dois meses de vida do bebê
  • Segunda dose: aos quatro meses de vida do bebê
  • Terceira dose: aos seis meses de vida do bebê

Vacina DTP (tríplice bacteriana): a vacina tríplice bacteriana é dada em duas doses de reforço e previne contra difteria, tétano e coqueluche.

  • Primeiro reforço: aos quinze meses de vida da criança
  • Segundo reforço: aos quatro anos de idade da criança

 

 

Fontes: Minha Vida/FIOCRUZ

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail
12 nov 2020
Prematuro

O mês de novembro é dedicado à conscientização da prematuridade e suas possíveis causas. A falta de assistência médica de qualidade prestada à gestante é um fator que deve ser levado em consideração, uma vez que uma infecção de urina, por exemplo, se não detectada e tratada pode resultar na prematuridade.
Para contribuir com a conscientização sobre o tema, vamos compartilhar o calendário vacinal do prematuro.

Palivizumabe

Trata-se de uma imunoglobulina, que é um anticorpo “pronto” que previne contra infecções específicas contra o vírus sincicial respiratório, atualmente é a única maneira de prevenir quadros graves de infecções respiratórias em crianças prematuras.
A Palivizumabe é indicada no calendário do prematuro para os recém-nascidos pré-termo, com menos de 29 semanas de idade gestacional, para aqueles nascidos entre 29 e 32 semanas até o 6º mês de vida e para portadores de doenças cardíacas e pulmonares nos dois primeiros anos de vida, independente da idade gestacional.

Hepatite B

Para a vacinação rotineira de crianças, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) adotou o esquema de quatro doses: uma dose em formulação isolada ao nascimento e doses aos 2, 4 e 6 meses de vida, incluídas na vacina pentavalente de células inteiras. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomendam os esquemas de quatro doses (adotado pelo PNI) ou de três doses: ao nascimento, em formulação isolada, e aos 2 e 6 meses de vida, como parte da vacina hexavalente acelular. Aos 4 meses é recomendada a vacina penta acelular, que não contém o antígeno hepatite B em sua formulação.

Confira o calendário completo do prematuro clicando aqui!

 

Fontes: Familia.SIMm.org.br/Revista Crescer

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail