25 out 2021
furo de orelha em bebês 

Desde o melhor procedimento até o tipo de brinco e o tempo de cicatrização, saiba tudo sobre furo de orelha em bebês

furo de orelha em bebês é uma questão que gerou certa discussão nos últimos anos e, como consequência, muitas maternidades não realizam mais o procedimento em recém-nascidos.

No entanto, para as famílias que decidem colocar brinco nos bebês, a recomendação do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria é de que o procedimento seja realizado em torno dos 15 dias de vida.

Isso porque o bebê tem a cartilagem muito fina e, então, sente menos dor ao furar a orelha no primeiro mês após o nascimento.

No entanto, existe uma série de recomendações sobre o furo de orelha em bebês e, por isso, preparamos esse conteúdo com tudo o que você precisa saber. Confira!

Leia também: Outubro Rosa: conheça a importância e como fazer o autoexame de mama

Saiba como funciona o furo de orelhas em bebês de maneira humanizada

furo de orelha em bebês de maneira humanizada é um procedimento realizado para que os recém-nascidos não sofram traumas e com menor possibilidade de dor

Para isso, um profissional, médico ou enfermeiro, utiliza pomadas anestésicas, técnicas de acupuntura e jóias hipoalergênicas.

Saiba mais: Entenda como funciona a aplicação simultânea de vacinas

Entenda qual é o melhor procedimento para furar a orelha do recém-nascido

Atualmente, o furo de orelha humanizado é o melhor procedimento para colocar brinco em crianças recém-nascidas, já que, muitas vezes, esse método é realizado com a criança dormindo ou até mamando.

Vale destacar ainda que, neste modelo, o profissional não segura a cabeça da criança e só realiza o furo quando realmente o bebê se mostra confortável.

Leia mais: Volta às aulas: conheça a importância da vacinação para crianças e adolescentes

Conheça qual é o brinco indicado para bebês

Como a pele dos recém-nascidos é muito fina e sensível, o ideal é que o brinco seja hipoalergênico, de ouro maciço ou aço cirúrgico e sempre esterilizado.

Saiba também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Confira os cuidados após realizar o furo de orelha em bebês

Após realizar o furo de orelha em bebês, é preciso levar em consideração alguns cuidados:

– Deixar o bebê com o mesmo brinco durante 6 semanas sem tirá-lo para cicatrização

– Limpar e secar a região do furo diariamente com cotonete e álcool 70%

– Girar o brinco uma vez por dia

Você pode se interessar por: A amamentação diminui a dor do bebê durante a vacinação?

Saiba onde realizar o furo de orelha em bebês

Como visto, o furo de orelha em bebês de maneira humanizada é uma excelente opção para famílias que desejam colocar brincos nos recém-nascidos.

Mas, para isso, é preciso contar com um profissional experiente e de confiança para realizar o procedimento.

Nesse sentido, a Vip Imune realiza o furo em orelha de bebês a domicílio com brincos mais fininhos e mais delicados, embalados e esterilizados individualmente em cápsulas descartáveis, e certificados pela ANVISA.

A aplicação é rápida, silenciosa, higiênica e o melhor, sem contato manual!

Fale com os nossos especialistas e agende agora mesmo o furo de orelha para o seu bebê!

12 out 2021
perguntas e respostas sobre meningite 

Desde a causa até questionamentos sobre a vacinação, conheça quais são as perguntas e respostas sobre meningite mais frequentes

No Brasil, perguntas e respostas sobre meningite são muito procuradas na internet e com profissionais da área, já que a doença registrou 400 mil casos entre 2007 e 2020, segundo dados do Ministério da Saúde.

Destes registros, a meningite viral é a mais frequente com cerca de 122 mil casos, seguida pela etiologia bacteriana com aproximadamente 88 mil casos.

Vale destacar ainda que, no Brasil, a meningite é considerada uma doença endêmica, em que casos são esperados ao longo do ano, com possibilidade de surtos e epidemias ocasionais, principalmente as bacterianas durante o outono-inverno e as virais na primavera-verão.

Diante disso, preparamos esse conteúdo com as principais perguntas e respostas sobre meningite, de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações – SBIM. Confira!

Leia também: Vacinação na adolescência: conheça a importância da imunização

Conheça as principais perguntas e respostas sobre meningite

O que é a meningite?

Meningite é a inflamação das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal.

Quais são as causas da doença?

Dentre as principais perguntas e respostas sobre meningite, a causa da doença é uma das mais procuradas.

Para isso, é importante destacar que são diversos os agentes causadores, sendo que os mais comuns são os vírus, que provocam casos menos graves e ainda não existe vacina para combatê-los.

No entanto, para os casos mais severos, causados pelas bactérias, já existem vacinas, que são especialmente recomendadas para crianças e adolescentes.

Quais as principais bactérias que causam meningite?

As principais bactérias que causam meningite são:

  • Meningococo (Neisseria meningitidis)

  • Pneumococo (Streptococcus pneumoniae)

  • Haemophilus Influenzae b (Hib)

  • Mycobacterium tuberculosis (bacilo de koch)

Quais são as vacinas que previnem a meningite?

Os imunizantes que ajudam a prevenir a doença são:

  • Vacinas combinadas à tríplice bacteriana (penta ou hexa)

  • Vacinas pneumocócicas conjugadas (VPC10 e VPC13)

  • Vacinas meningocócica C conjugada, meningocócica conjugada ACWY e meningocócica B

  • Vacina Hib (Haemophilus influenzae b)

  • Vacina BCG

Quais são as meningites bacterianas mais comuns no Brasil?

Ainda dentre as principais perguntas e respostas sobre meningite, as dúvidas sobre a doença a partir de bactérias são bastante frequentes.

Por isso, considerando todas as faixas etárias, as meningites bacterianas mais comuns no Brasil são as meningocócicas, principalmente a C.

No entanto, também é preciso ter atenção com a meningite bacteriana meningocócica do tipo W, que registra altos casos na América Latina, e com a pneumocócica, que também tem representatividade relevante no Brasil.

Após a exposição, dá tempo de me vacinar?

O período de incubação da meningite meningocócica é curto, por isso, não dá tempo para a vacina proteger uma pessoa após a exposição.

Além disso, não é possível saber qual o imunizante receber, já que não tem como identificar a bactéria e o tipo de meningite rapidamente.

Diante disso, caso tenha contato com uma pessoa infectada, procure o seu médico para receber as recomendações.

As vacinas contra meningites precisam de reforços ao longo da vida?

A SBIM recomenda o reforço para as vacinas meningocócicas conjugadas C ou ACWY e o imunizante Hib.

Já a BCG e pneumocócicas não precisam de reforço.

Por fim, a meningocócica B tem recomendada a dose de reforço para grupos de alto risco, como pessoas com HIV, portadores de asplenia anatômica ou funcional, que tenham deficiência de complemento ou em uso de eculizumab ou outros medicamentos biológicos que interferem na via do complemento.

Adultos devem se vacinar?

A vacinação para meningite meningocócica só é recomendada para adultos que fazem parte do grupo de risco ou em situações como surtos da doença ou em viagens para locais onde existe grande risco de transmissão.

Já os imunizantes pneumocócicos são recomendados para pessoas em qualquer idade que tenham condições especiais de saúde e, como rotina, a partir dos 60 anos.

E a Hib é indicada apenas para adultos e adolescentes não imunizados que tenham algumas doenças crônicas ou que façam tratamentos que aumentem o risco de infecção.

Já a BCG não é recomendada.

Médicos devem se vacinar?

Apesar de não ter evidências sobre maior risco de contaminação, os profissionais da saúde acabam registrando casos de meningites, especialmente os que têm mais contato com pacientes, principalmente no setor de emergência de hospitais.

Por isso, a Sociedade Brasileira de Imunizações recomenda a imunização para os profissionais de saúde que tenham contato com a bactéria, seja em pesquisas clínicas e laboratórios, ou que trabalham em serviços de emergência, viajam muito e exercem ajuda humanitária e colaboram em situações de catástrofe.

Saiba mais: Vacinação na terceira idade: quais são os principais imunizantes?

Conheça a Vip Imune

Agora que você já sabe as principais perguntas e respostas sobre meningite, é hora de conhecer uma instituição de saúde sólida e experiente que forneça as principais vacinas e imunizantes, inclusive os da meningite.

Nesse caso, a Vip Imune foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua imunização, de acordo com o calendário de vacinação ou a recomendação do seu médico.

04 out 2021
Outubro Rosa

Entenda porque é importante descobrir qualquer anomalia precocemente e saiba como o Outubro Rosa apoia e incentiva o autoexame de mama

Outubro Rosa já é conhecido pelas ações de informação e incentivo ao diagnóstico e, consequentemente, tratamento precoce dos cânceres de mama e agora também de colo de útero.

Nesse sentido, inclusive, em 2020 foram registrados 2,3 milhões de casos de câncer de mama, segundo levantamento do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Em 2021, a previsão é de 66 mil novos casos apenas no Brasil, de acordo com dados do mesmo documento do INCA.

Diante disso, para apoiar as ações do Outubro Rosa, preparamos esse conteúdo sobre a importância de realizar o autoexame de mama. Confira!

Leia também: Setembro amarelo: como identificar sinais de que uma pessoa precisa de ajuda

Entenda porque realizar o autoexame de mama

Um dos principais incentivos do Outubro Rosa é, justamente, conscientizar as mulheres sobre a importância de realizar o autoexame de mama.

Essa deve ser uma prática mensal em que as mulheres podem observar qualquer alteração nas mamas, como protuberâncias e ondulações, e assim, obter o diagnóstico precoce.

Vale destacar que a maioria dos casos é descoberta a partir do autoexame das mamas e o câncer é mais comum em mulheres entre 45 e 55 anos de idade.

Quando o câncer de mama é descoberto precocemente e tratado rapidamente, as chances de cura são maiores.

Saiba mais: A amamentação diminui a dor do bebê durante a vacinação?

Saiba como realizar o autoexame de mama

Para realizar o autoexame de mama, é importante seguir as seguintes recomendações:

Em frente ao espelho

Fique de pé e pressione as mamas com as pontas dos dedos em frente ao espelho e com um dos braços voltado para baixo. Em seguida, repita os toques com uma das mãos na cintura. Por fim, com uma mão atrás da cabeça toque os seios novamente.

É importante observar se existe alguma anormalidade, como rugosidade, saliências ou depressões na região das mamas. Além disso, também é necessário pressionar os mamilos apertando levemente para verificar se existe qualquer fluxo de líquido.

Banho

Ensaboe as mamas e as apalpe com os três dedos de uma das mãos juntos. Lembre-se de que a mão direita examina o seio esquerdo e vice-versa.

Procure realizar movimentos circulares por toda a região da mama, principalmente, na parte superior. Verifique também as axilas e o pescoço e confira se tem alguma saliência, caroço ou alteração.

Deitada

Apoie o braço direito sobre a sua cabeça e use a mão esquerda para apalpar a mama e axila direita. Realize movimentos circulares leves.

Em seguida, inverta a posição e realize o exame na mama e axila esquerda.

Leia mais: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

A VIP Imune apoia o Outubro Rosa

Além de realizar o autoexame de mama mensalmente, é importante tomar outros cuidados para garantir que a saúde esteja em dia.

Por isso, além de praticar as diretrizes do Outubro Rosa, é fundamental realizar um check-up periódico com consultas e exames, além de manter o calendário de vacinação em dia.

Neste caso, a Vip Imune oferece vacinação familiar e corporativa, com uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe as vacinas para você e sua família!

01 out 2021
vacinação na terceira idade

vacinação na terceira idade é composta por diversos imunizantes fundamentais para combater doenças e contribuir para a longevidade e qualidade de vida das pessoas acima dos 60 anos de idade.

Nesse sentido, mesmo em tempo de pandemia, é essencial manter o esquema vacinal em dia. A dica dos especialistas é dar um intervalo de 14 dias entre a vacina contra a COVID-19 e os outros imunizantes.

Manter os imunizantes em dia se deve ao fato de que uma simples gripe ou qualquer outra doença infecciosa se agravar e causar problemas crônicos como pneumonia e alterações cardíacas e pulmonares, por exemplo.

Diante disso, preparamos esse conteúdo com os principais imunizantes para a vacinação na terceira idade, de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBim). Confira!

Leia também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Conheça as principais vacinas para pessoas acima dos 60 anos

Gripe (Influenza)

Um dos principais imunizantes para a vacinação na terceira idade é o da gripe, que é causada por uma infecção viral, chamada de influenza, e deve ser tomada todos os anos.

Vale destacar que, segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS, a gripe provocada pelo vírus influenza atinge de 5% a 10% dos adultos em todo o mundo anualmente.

Pneumocócica

Em seguida, a vacina pneumocócica também é importante em idosos para evitar múltiplas infecções, como:

  • Otite

  • Pneumonia bacteriana

  • Sepse

  • Meningite

A pneumonia pneumocócica, inclusive, é causa comum de internações e até morte de idosos.

Tríplice bacteriana

Já a tríplice bacteriana é recomendada como reforço, para adultos e idosos, e imuniza contra difteria, tétano e coqueluche.

Como esse imunizante é inativado, não tem possibilidade de causar essas doenças em pessoas com a imunidade mais baixa.

Hepatite B

Ainda sobre os principais imunizantes para a vacinação na terceira idade, a vacina de Hepatite B é mais uma entre as indicadas pelos especialistas para os idosos.

No entanto, como a maioria das pessoas acima dos 60 anos já teve Hepatite A, a rede pública não oferece esse imunizante.

Por isso, para recebê-lo, é preciso procurá-lo na rede particular.

Febre amarela

Caso o idoso se exponha ao risco em regiões em que a febre amarela seja comum, é preciso receber a vacina.

No entanto, esse imunizante pode apresentar efeitos colaterais. Por isso, antes de receber a dose, é importante consultar o seu médico.

Herpes zóster

Comum em idoso e causada pelo herpesvírus humano tipo 3, a herpes zóster tem vacinação recomendada para pessoas que tiveram a doença na infância.

Porém, a vacina contra herpes zóster é mais um imunizante que não é oferecido na rede pública.

Meningocócicas

Mais um imunizante recomendado para vacinação na terceira idade e que não está disponível no Sistema Único de Saúde – SUS, a vacina meningocócica é indicada para idosos em casos de epidemia, surtos e viagens de risco.

Tríplice viral

Por fim e não menos importante, a tríplice viral previne contra sarampo, caxumba e rubéola.

Esse é mais um dos imunizantes disponíveis apenas na rede particular e não é recomendado para pessoas que fizeram transplante, têm câncer ou HIV.

Por isso, é importante que seja indicado pelo seu médico.

Saiba mais: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conte com a Vip Imune para vacinação na terceira idade

Como visto, existem diversos imunizantes para a vacinação na terceira idade que são recomendados pelos especialistas, como a SBim, mas não estão disponíveis na rede particular.

Para isso, é preciso contar com uma instituição de saúde sólida, experiente e de confiança.

Nesse caso, a Vip Imune foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua imunização, de acordo com o calendário de vacinação ou a recomendação do seu médico.

27 set 2021

Saiba como funciona na prática e conheça as principais vantagens da aplicação simultânea de vacinas

aplicação simultânea de vacinas é uma técnica que administra mais de um imunizante, em diferentes regiões do corpo, praticamente no mesmo momento.

Esse conceito é recomendado, principalmente, para crianças menores de 2 anos, que, nesta faixa etária, têm diversas vacinas para receber, de acordo com o calendário de vacinação.

Vale destacar que essa técnica de administração simultânea dos imunizantes é segura e está entre as principais orientações sobre melhores práticas de vacinação, já que não interfere na resposta imunológica e tampouco potencializa os efeitos colaterais.

Além disso, essa prática é apoiada por diversas referências científicas, como a publicação “Administração simultânea de vacinas infantis: uma importante política de saúde pública que é segura e eficaz”.

Diante de todo esse contexto, preparamos esse conteúdo para explicar como funciona a aplicação simultânea de vacinas. Confira!

Leia também: Volta às aulas: conheça a importância da vacinação para crianças e adolescentes

Entenda como funciona a aplicação simultânea de vacinas

Como apontado no início do conteúdo, a aplicação simultânea de vacinas é uma técnica em que dois imunizantes são aplicados ao mesmo tempo.

Mas como funciona na prática? Dois profissionais realizam uma contagem sincronizada para aplicar as vacinas ao mesmo tempo em regiões diferentes do corpo.

Desta maneira, uma criança tem a percepção de apenas uma aplicação, o que ajuda a minimizar a resposta de dor e ainda garante a proteção contra mais doenças.

Saiba também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Conheça os benefícios da administração simultânea de imunizantes

A administração simultânea dos imunizantes proporciona diversas vantagens. Conheça as principais:

  • Minimiza a resposta de dor

  • Garante a aplicação de 2 imunizantes de uma só vez

  • Mais rápida quando comparada a uma aplicação de cada vez

  • Menos ansiedade e estresse para as crianças e familiares

  • Otimiza o tempo

Você pode se interessar por: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conte com a Vip Imune para realizar a aplicação simultânea de vacinas

Agora que você já sabe o que é a aplicação simultânea de vacinas e as suas principais vantagens, é preciso conhecer uma instituição de saúde sólida e de confiança que ofereça esse procedimento.

Neste contexto, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

No caso da aplicação simultânea de vacinas, não cobramos valor adicional pelo uso da técnica e, inclusive, todos os principais imunizantes são liberados para esta prática.

No entanto, só realizamos o procedimento na clínica. No Home Care, como somente uma enfermeira vai até a casa do paciente, não é possível realizar a técnica.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a aplicação simultânea de vacina para os seus filhos!

20 set 2021
ansiedade infantil

Conheça os dados que norteiam a ansiedade infantil, saiba como identificar os sinais e a recomendação para tratamento

Assim como nos adultos, a ansiedade infantil também é caracterizada por problemas emocionais que podem causar prejuízos na vida de uma criança.

Nesse sentido, de acordo com dado divulgado pela cartilha Ansiedade em crianças – Um olhar sobre transtornos de ansiedade e violências na infância

, aproximadamente 20% das crianças no mundo têm problemas de ansiedade.

Não muito diferente dos adultos que desenvolvem a enfermidade por problemas como estresse no trabalho, separação conjugal ou de ordem financeira, por exemplo, as crianças também têm crises de ansiedade após episódios de separação dos pais, mudanças abruptas em seu cotidiano ou até morte de um ente querido.

Diante deste cenário, preparamos esse conteúdo sobre como identificar os sintomas de ansiedade infantil e os melhores métodos para o tratamento. Confira!

Leia também: Setembro amarelo: como identificar sinais de que uma pessoa precisa de ajuda

Saiba como identificar os sintomas de ansiedade infantil

O primeiro ponto para identificar sinais de ansiedade infantil é ficar atento ao comportamento da criança após episódios de grande impacto emocional, como a separação conjugal dos pais, por exemplo.

Entretanto, além disso, as crises de ansiedade infantil podem acontecer mesmo sem um grande acontecimento. Por isso, é importante observar os seguintes indícios:

  • Crises de choro inexplicáveis

  • Sustos durante o sono que despertam a criança

  • Reações inesperadas diante de situações do dia a dia

  • Alterações repentinas de comportamento e nos hábitos alimentares

  • Apego exagerado com um dos pais

  • Medos sem sentido aparente

  • Diminuição do rendimento na escola

  • Dores de cabeça e tonturas sem motivos aparentes

  • Retração social

Saiba mais: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conheça quais são os tratamentos recomendados

Ao perceber a continuidade desses sintomas por período considerável, é fundamental buscar ajuda profissional, mais precisamente de um psicólogo, para avaliar o quadro da criança.

Desta maneira, é possível obter o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento com medidas mais brandas, mas ainda assim eficazes, como:

  • Orientação aos pais e criança

  • Conscientização familiar

  • Estímulo ao aumento de autonomia e competência da criança

  • Consultas regulares para observar a evolução do quadro de ansiedade infantil

Você pode se interessar por: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Conte com a Vip Imune

Agora que você já sabe como identificar os principais sinais de ansiedade infantil, bem como a recomendação de busca por um profissional da psicologia para o tratamento, é importante também manter outros aspectos da saúde da criança em dia, como o calendário de vacinação.

Para isso, é importante contar com instituições sólidas e experientes como a Vip Imune Clinica de Imunizações.

Temos como proposta atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Para isso, contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a vacina da sua família!

13 set 2021
 volta às aulas 

Nesta volta às aulas presenciais, é essencial que os alunos estejam com o esquema de vacinação em dia para evitar doenças, como meningite, sarampo e pneumonia. Saiba mais!

A partir da volta às aulas presenciais, após um longo período de ensino online, os pais precisam ter cuidados especiais com a saúde das crianças e adolescentes para evitar a possibilidade de infecções por doenças contagiosas.

Neste caso, além dos protocolos de saúde obrigatórios nas instituições de ensino, como aferição da temperatura, utilização da máscara e oferta de álcool em gel, os pais também precisam ter atenção em manter o calendário de vacinação dos seus filhos em dia.

Isso se deve ao fato de que o contato próximo dos alunos no ambiente escolar favorece o contágio de diversas doenças, principalmente as infectocontagiosas, como gripe, meningite, sarampo, pneumonia, catapora e coqueluche, por exemplo.

E para evitá-las a vacinação é a melhor opção. Por isso, preparamos esse conteúdo sobre a importância de manter o calendário de vacinação em dia para a volta às aulas presenciais. Confira!

Leia também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Entenda a importância da vacinação de crianças e adolescentes na volta às aulas

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 23% dos adolescentes são portadores da bactéria causadora da meningite meningocócica, que pode ser evitada a partir do imunizante.

Além disso, o sarampo, que até 2016 era considerado como eliminado do Brasil, voltou a registrar vítimas, inclusive crianças, justamente pela falta de adesão aos esquemas vacinais.

E não é só isso, a pneumonia é mais um risco às crianças e adolescentes nesta volta às aulas presenciais. Vale destacar, que esta enfermidade é um dos principais motivos para hospitalização e óbito de crianças menores de cinco anos em todo o mundo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

Por isso, é fundamental manter o calendário de vacinação em dia, já que, de acordo com o Ministério da Saúde, esses imunizantes oferecem proteção contra mais de 40 doenças.

Saiba mais: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conte com a Vip Imune para garantir as vacinas para sua família!

Como visto, nesta volta às aulas presenciais, é importante que os pais tenham atenção especial com a saúde dos seus filhos e mantenham o calendário de vacinação em dia.

Por isso, é necessário contar com uma instituição de saúde sólida e de sua confiança para oferecer as imunizações previstas e atualizar o calendário de vacinação da sua família.

Neste caso, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a imunização da sua família!

06 set 2021
consequências legais de não vacinar os filhos

De perda provisória da guarda até detenção, saiba quais são as consequências legais de não vacinar os filhos em território nacional

As consequências legais de não vacinar os filhos podem ir desde a perda provisória da guarda da criança até detenção, caso seja constatado crime de maus tratos.

Nesse sentido, vale destacar que, nos últimos tempos, ainda que seja minoria, cresceu a quantidade de pessoas que não acreditam em vacinas e, consequentemente, não recebem os imunizantes disponibilizados pelos principais órgãos de saúde do mundo.

De acordo com pesquisa da Wellcome Global Monitor, aproximadamente 21% da população mundial não acredita que as vacinas sejam seguras. No Brasil, 97% da população aprova a vacinação infantil.

No entanto, essa parcela mínima que não acredita na vacinação pode, consequentemente, deixar de imunizar os seus filhos, de acordo com as vacinas previstas para cada país.

Diante disso, preparamos esse artigo sobre as consequências legais de não vacinar os filhos no Brasil. Confira a seguir!

Leia também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Saiba quais são as consequências legais de não vacinar os filhos em território brasileiro

Lei 8.069/90, que diz respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), estabelece normas para proteger o direito à vida e à saúde de crianças e adolescentes.

Entre essas regras, existem punições aos pais que não imunizarem seus filhos, de acordo com o calendário estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Desta maneira, a legislação afirma que “é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias”.

Além disso, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), instituído pela Lei 6.259/75, prevê diversas vacinas que garantem a saúde e bem-estar das crianças.

Por fim, o artigo 227 da Constituição Federal também estabelece que família, sociedade e Estado devem garantir às crianças, com absoluta prioridade, o direito à vida e à saúde, dentre outros direitos.

Na prática, as consequências legais de não vacinar os filhos são:

  • Perda provisória da guarda da criança e do poder parental

  • Detenção caso seja comprovado crime de maus tratos

Existem crianças que são impossibilitadas de receber os imunizantes previstos por conta de problemas de saúde. Nestes casos, os pais e responsáveis precisam ter sempre à disposição os laudos médicos atualizados que indicam esta condição.

Saiba mais: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conheça a Vip Imune

Como visto, as consequências legais de não vacinar os filhos podem ser graves e levar pais e responsáveis até a detenção.

Por isso, mantenha o calendário de vacinação dos seus filhos sempre atualizado e, para isso, tenha uma instituição de saúde de confiança.

Neste caso, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe as vacinas dos seus filhos!

01 set 2021
Setembro Amarelo

A campanha Setembro Amarelo tem o intuito de conscientizar as pessoas na prevenção do suicídio. Saiba mais!

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, celebra nacionalmente a campanha Setembro Amarelo, com o objetivo de prevenir suicídios e conscientizar a população sobre práticas que melhoram a saúde mental.

Nesse sentido, de acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, são registrados mais de 700 mil suicídios por ano em todo o mundo. Ou seja, uma pessoa tira a própria vida a cada 40 segundos, em média

No Brasil, segundo o levantamento dos próprios realizadores da campanha, são registrados 12 mil casos de suicídio por ano, sendo que 96,8% estavam relacionados a transtornos mentais.

Diante deste cenário, preparamos esse conteúdo para ajudar a identificar sinais de que uma pessoa tem problemas de saúde mental e precisa de ajuda. Saiba mais a seguir!

Leia também: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conheça os principais sinais de que uma pessoa precisa de ajuda

Para identificar que uma pessoa está com problemas de saúde mental, é importante ficar atento aos seguintes indícios:

  • Apresenta sentimento de tristeza contínuo

  • Perda de interesse por atividades rotineiras

  • Relatos de solidão

  • Ansiedade

  • Afastamento social

Os organizadores da campanha Setembro Amarelo, inclusive, elaboraram a cartilha Suicídio informando para prevenir, que indica as principais diretrizes para tratar sobre o tema.

Além disso, existem alguns contextos que podem funcionar como gatilhos para que uma pessoa cometa suicídio. Conheça e saiba identificar:

  • Histórico familiar e pessoal de comportamento suicida

  • Transtornos mentais, como depressão, bipolaridade e problemas de humor

  • Fatores de estresse crônico e recentes, como problemas no trabalho ou até desemprego, separação conjugal e perda de parentes

  • Situações de emergência

Saiba mais: Hepatites Virais: conheça os tipos da doença e o método para prevenção

Entenda como ajudar pessoas que passam por problemas de saúde mental

Muitas vezes, as pessoas encontram diversas dificuldades para ajudar quem apresenta sinais de transtornos mentais, seja pela dificuldade de reconhecer os indícios, por falta de informação e até medo sobre a abordagem ideal.

Por isso, separamos as principais ações sobre como ajudar alguém que passa por problemas que, se não tratados, podem causar o suicídio. Veja:

– Escute a pessoa

– Não julgue

– Seja empático

– Respeite as opiniões e valores da pessoa

– Demonstre afeto, preocupação e cuidado

– Caso entenda que não é a pessoa certa para ajudar, oriente ao atendimento especializado, que pode ser o Centro de Valorização da Vida (CVV), que atende via chat ou telefone, no número 188.

Você pode se interessar por: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Saiba como a Vip Imune apoia o movimento Setembro Amarelo

Além da saúde mental, é importante cuidar de todos os aspectos da saúde, principalmente, neste período desafiador por conta da pandemia.

Por isso, é fundamental realizar check-ups periódicos, com exames de rotina e, inclusive, manter o calendário de vacinação em dia.

Para atender a essa demanda, além da publicação de conteúdos e disponibilização de materiais referentes à campanha Setembro Amarelo, a Vip Imune Clinica de Imunizações tem a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua vacina!

23 ago 2021
vírus HPV

A vacinação contra o vírus HPV é a principal maneira de combater a doença. Saiba mais!

Existem muitas informações falsas referentes ao vírus HPV (Papilomavírus) e até mesmo sobre a vacina que previne a doença, desde que é uma enfermidade que só atinge as mulheres até as possibilidades de desenvolvimento de câncer.

Nesse sentido, inclusive, é importante destacar que, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 75% das brasileiras sexualmente ativas terão contato com o vírus HPV ao longo da vida. O ápice da transmissão acontece aos 25 anos de idade.

No entanto, essa enfermidade também atinge os homens e, segundo levantamento do Ministério da Saúde, 51,8% dos homens no Brasil têm HPV.

Diante deste contexto, preparamos esse conteúdo com os principais mitos e verdades sobre o vírus HPV. Confira a seguir!

Leia também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Conheça 5 mitos e verdades sobre o vírus HPV (Papilomavírus)

1. Toda mulher que tem HPV terá câncer de colo do útero

Mito! Apesar de não serem todas as mulheres com HPV que desenvolvem a doença, o Papilomavírus é o responsável por quase 100% dos casos de câncer de colo do útero, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA)

2. HPV tem tratamento

Verdade! Geralmente, as infecções pelo vírus HPV são controladas pelo próprio sistema imunológico e o organismo elimina o Papilomavírus. No entanto, é fundamental buscar ajuda médica.

Além disso, quando o HPV não for eliminado, é preciso realizar uma nova consulta com um profissional, já que o vírus pode contagiar outras pessoas.

Por fim, é importante destacar que não existe um tratamento específico e cada caso deve ser tratado de maneira individual.

3. O uso de preservativo previne a transmissão do vírus HPV

Mito! Apesar da importância da utilização de preservativos em todas as relações sexuais, o seu uso não impede a infeção pelo vírus. Isso porque o Papilomavírus pode estar presente em outras áreas do corpo que não estão protegidas com o preservativo.

4. Existe vacina para prevenção do Papilomavírus

Verdade! A imunização contra o vírus HPV é a principal maneira de prevenção da doença e protege contra os vírus 6, 11, 16 e 18, câncer de colo do útero e as verrugas genitais.

Após receber o imunizante, o organismo produz os anticorpos necessários para combater o vírus HPV, caso a pessoa seja infectada.

5. O imunizante protege contra todos os tipos de HPV

Mito! Como indicado anteriormente, a vacina contra o Papilomavírus protege contra os vírus 6, 11, 16 e 18, verrugas genitais e o câncer de colo do útero.

Saiba mais: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Conte com a VIP Imune para a vacinação contra o vírus HPV

Agora que você já sabe os principais mitos e verdades sobre o HPV, é preciso conhecer uma instituição de saúde sólida e de confiança para receber o imunizante.

Para atender a esta demanda, a Vip Imune promove a vacinação familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para pessoas de todas as idades.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a sua imunização.