27 out 2017

O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 09h38

Medida mais eficaz contra a doença é a vacinação

1. Como a febre amarela é transmitida?

Pela picada de mosquitos portadores do vírus de febre amarela. Em regiões de campo e floresta, o principal mosquito transmissor é o Haemagogus. O vírus também pode ser transmitido pelo Aedes aegypti, na forma urbana da doença. Casos de transmissão urbana, no entanto, não são registrados no País desde 1942.

2. A febre amarela é transmitida de pessoa para pessoa?

Não.

3. Qual é o papel de primatas na transmissão?

Primatas podem se contaminar com o vírus, exercendo também o papel de hospedeiros. Se picados, os animais transmitem o vírus para o mosquito, aumentando, assim, as chances de propagação da doença.

4. Quais sintomas provocados pela febre amarela?

A febre amarela é classificada como uma doença infecciosa grave. Ela provoca calafrios, dor de cabeça, dores nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Os primeiros sintomas aparecem de 3 a 6 dias depois da infecção.

5. Como a doença evolui? 

Para maior parte dos pacientes, os sintomas vão perdendo a intensidade a partir do 3º ou 4º dia da infecção. Em alguns casos, no entanto, a doença entra em sua fase considerada tóxica.

6. O que ocorre nos casos graves?

Cerca de 10% dos pacientes desenvolvem a forma grave da doença. Ela geralmente ocorre depois de um período breve de melhora dos primeiros sintomas da doença. A febre reaparece, há hemorragias, insuficiência hepática, insuficiência renal. Um dos sintomas é a coloração amarelada da pele e do branco dos olhos. Também não é incomum pacientes apresentarem vômito com sangue, um sintoma da hemorragia. Cerca de 50% dos pacientes que desenvolvem a forma grave da doença morrem num período entre 10 e 14 dias.

7. Qual é o tratamento para a doença?

Não há um tratamento específico para febre amarela. A medida mais eficaz é a vacinação, para evitar a contaminação da doença.

8. A vacina deve ser tomada por toda a população?

É recomendada para pessoas de áreas de risco em 19 Estados. De forma temporária, a recomendação foi estendida a cidades do Rio, Espírito Santo, São Paulo e Bahia. Na capital paulista, a dose está sendo recomendada para quem vive ou frequenta a zona norte. A prioridade imediata é para quem vive na região do Horto.

9.Já sou vacinado. Preciso repetir a dose?

Não. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde, estudos mostram que uma só aplicação é capaz de dar imunidade por toda a vida. O Brasil era o único país a adotar ainda o esquema vacinal em duas doses.

10. Quais são as reações possíveis à vacina?

Os efeitos colaterais graves são raros. Mas 5% da população pode desenvolver sintomas como febre, dor de cabeça e dor muscular de 5 a 10 dias. É infrequente a ocorrência de reações no local da aplicação.

11. Quem tem maior risco de evento adverso relacionado à vacina da febre amarela?

Crianças menores de 6 meses, idosos, gestantes, imunodeprimidos, mulheres que estão amamentando e pessoas com alergia grave à proteína do ovo.

Link para a matéria: http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,tire-suas-duvidas-sobre-a-febre-amarela,70002058136

 

04 out 2017

A vacina contra Sarampo deve ser realizada aos 12 meses de vida, devendo ser feita uma segunda dose entre 15 e 24 meses de vida, sendo considerado vacinado, o indivíduo que receber 2 doses da vacina ao longo da vida. A vacina que protege contra o Sarampo, protege contra mais 2 doenças, a Caxumba e a Rubéola.

Estamos na Primavera, estação onde existe aumento dos casos de Catapora, verifique se sua vacinação está em dia, consulte-nos para maiores informações.

Europa registra quase 15 mil casos de sarampo entre janeiro de 2016 e julho

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou no dia 22 de setembro mais um boletim epidemiológico (íntegra aqui) sobre a epidemia de sarampo que atinge a Europa. De acordo com o órgão, de janeiro de 2016 ao fim de julho deste ano, foram confirmados 14.591 casos no continente. Desses, 64% (9.386) aconteceram em 2017.

Entre os 42 países que reportaram episódios, a Itália e a Romênia, com 4.524 e 4.276 infectados, respectivamente, foram os mais afetados. Apesar de os números serem semelhantes, a distribuição temporal é distinta. Ao passo que na Romênia os registros caíram em relação a 2016, na Itália houve mais de 300% de aumento. Alemanha, Bélgica, Bulgária, Espanha, França, República Tchca, Tadjiquistão e Ucrânia também registraram alta expressiva.

Paralelamente, foram confirmados nas Américas — região declarada livre de sarampo há cerca de 1 ano —167 casos importados ou com origem desconhecida:  Estados Unidos (119), Canadá (45) e Argentina (3). Além disso, há mais 84 casos suspeitos em investigação na Venezuela.

O relatório é mais um demonstrativo da alta capacidade de disseminação do sarampo e do risco de reintrodução do vírus no Brasil se viajantes contaminados entrarem em contato com pessoas não imunizadas, como ocorreu no Ceará 2014 e 2015 (https://sbim.org.br/noticias/488-encerrado-surto-de-sarampo-no-ceara).

Diante do fato, a SBIm reforça que é fundamental manter a caderneta em dia e que as pessoas que não têm a vacinação documentado ou certeza se completaram o esquema devem se imunizar. Não há perigo em tomar uma mesma vacina mais de uma vez.

Fonte: Site SBim: https://sbim.org.br/noticias/798-europa-registra-quase-15-mil-casos-de-sarampo-entre-janeiro-de-2016-e-julho

Publicado: 27 Setembro 2017
Última Atualização: 27 Setembro 2017

18 set 2017

Feriados prolongados e férias são períodos em que as viagens aumentam. Para evitar contratempos relacionados à saúde e receber orientações sobre o que fazer para se prevenir, é importante consultar um especialista!

Aqui na Vip Imune temos um médico infectologista especializado em medicina do viajante, consulte-nos!

Veja mais em:

https://saude.abril.com.br/medicina/vacinas-que-voce-deveria-tomar-em-viagem/

05 dez 2016

 

Desenvolvemos ações para conscientizar e orientar seus funcionários sobre a importância da
vacinação.
Disponibilizamos material informativo para distribuição dentro da sua comunicação interna.
Dimensionamos junto com você a melhor campanha de vacinação para seus funcionários.

JÁ ESTAMOS FAZENDO RESERVAS DAS DOSES PARA 2017.
NÃO DEIXE DE VACINAR SEUS FUNCIONÁRIOS.
FAÇA AGORA UM ORÇAMENTO PARA A SUA CAMPANHA
DE VACINAÇÃO.


IMPORTANTE: Em 2016 muitas empresas econtraram dificuldades para adquirir a vacina e realizar a campanha de vacinação devido a grande procura. Por isso faça sua reserva antecipada e evite transtornos futuros.

FALE AGORA COM O NOSSO ATENDIMENTO
Tel.: (11) 3031-8371 | E-mail: comercial@vipimune.com.br

11 nov 2016

Em Novembro vamos combater a pneumonia.

A Pneumonia é uma das principais causas de morte em crianças menores de 5 anos e idosos.
A vacinação ainda é a melhor forma de prevenção da doença. Vacine-se.

Vamos combater juntos a Pneumonia.
Fale agora com o nosso atendimento.

Durante todo o mês de Novembro a Vip Imune irá oferecer 20% de desconto para os clientes que
apresentarem este folheto juntamente com a receita médica. Procure nosso atendimento para saber mais.

IMPORTANTE: 
O desconto não será concedido sem a apresentação do folheto com a receita médica.

20 maio 2016

vip-imune-caxumba-img-blogSegundo o portal R7, houve um aumento de 568% nos casos de Caxumba em relação ao mesmo período de 2015.

A caxumba é uma doença infectocontagiosa muito comum em crianças causada por um vírus da família paramyxovirus, provocando dor e inchaço na região do pescoço.

A prevenção contra a caxumba é simples: tomar a vacina tríplice viral, que protege contra caxumba, sarampo e rubéola. A vacina deve ser tomada a partir de um ano de idade em duas doses, com intervalo de um mês entre elas.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), no entanto, recomenda duas doses para pessoas de todas as idades. Quem já tomou as duas doses da vacina não precisa se imunizar de novo ao longo da vida. Quem teve a doença uma vez também está protegido.

Na dúvida se tomou ou não a vacina tríplice viral, a recomendação é tomar novamente. Só é possível ter certeza com o registro na carteirinha” – Isabella Ballalai, médica presidente da Sbim

Isabella observa que boa parte dos adolescentes e adultos não estão adequadamente protegidos contra a caxumba porque muitos não tomam a segunda dose da vacina. Além disso, o SUS só passou a oferecer a tríplice viral mais recentemente, a partir de 2002. “Na dúvida se tomou ou não tomou, a recomendação é tomar novamente. Só é possível ter certeza com o registro na carteirinha”, diz a médica.

Para ler as matérias na íntegra, clique no link desejado abaixo:

Portal G1: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/07/caxumba-saiba-mais-sobre-transmissao-sintomas-e-tratamento.html

Portal R7: http://noticias.r7.com/saude/casos-de-caxumba-aumentam-mais-de-500-em-sp-calafrio-e-dor-de-cabeca-sao-sinais-da-doenca-13052016

Para realizar a vacinação contra Caxumba na Vip Imune, procure nosso atendimento.

Em caso de dúvidas, ligue: (11) 3097-8935

25 mar 2016

ACABA DE CHEGAR NA VIP IMUNE UM LOTE DAS VACINAS TRIVALENTE E QUADRIVALENTE (INFLUENZA AB).

A vacina TRIVALENTE protege contra os três principais vírus.

H1N1, H3N2 E B

A vacina TRIVALENTE pode ser administrada em todas as pessoas a partir dos 6 meses de vida.


 

A vacina QUADRIVALENTE protege também contra os três principais vírus.

H1N1, H3N2, B e mais um tipo de vírus B.

A vacina QUADRIVALENTE pode ser administrada em todas as pessoas a partir dos 3 anos de vida.