25 out 2021
furo de orelha em bebês 

Desde o melhor procedimento até o tipo de brinco e o tempo de cicatrização, saiba tudo sobre furo de orelha em bebês

furo de orelha em bebês é uma questão que gerou certa discussão nos últimos anos e, como consequência, muitas maternidades não realizam mais o procedimento em recém-nascidos.

No entanto, para as famílias que decidem colocar brinco nos bebês, a recomendação do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria é de que o procedimento seja realizado em torno dos 15 dias de vida.

Isso porque o bebê tem a cartilagem muito fina e, então, sente menos dor ao furar a orelha no primeiro mês após o nascimento.

No entanto, existe uma série de recomendações sobre o furo de orelha em bebês e, por isso, preparamos esse conteúdo com tudo o que você precisa saber. Confira!

Leia também: Outubro Rosa: conheça a importância e como fazer o autoexame de mama

Saiba como funciona o furo de orelhas em bebês de maneira humanizada

furo de orelha em bebês de maneira humanizada é um procedimento realizado para que os recém-nascidos não sofram traumas e com menor possibilidade de dor

Para isso, um profissional, médico ou enfermeiro, utiliza pomadas anestésicas, técnicas de acupuntura e jóias hipoalergênicas.

Saiba mais: Entenda como funciona a aplicação simultânea de vacinas

Entenda qual é o melhor procedimento para furar a orelha do recém-nascido

Atualmente, o furo de orelha humanizado é o melhor procedimento para colocar brinco em crianças recém-nascidas, já que, muitas vezes, esse método é realizado com a criança dormindo ou até mamando.

Vale destacar ainda que, neste modelo, o profissional não segura a cabeça da criança e só realiza o furo quando realmente o bebê se mostra confortável.

Leia mais: Volta às aulas: conheça a importância da vacinação para crianças e adolescentes

Conheça qual é o brinco indicado para bebês

Como a pele dos recém-nascidos é muito fina e sensível, o ideal é que o brinco seja hipoalergênico, de ouro maciço ou aço cirúrgico e sempre esterilizado.

Saiba também: Calendário vacinal desatualizado: quais são os riscos?

Confira os cuidados após realizar o furo de orelha em bebês

Após realizar o furo de orelha em bebês, é preciso levar em consideração alguns cuidados:

– Deixar o bebê com o mesmo brinco durante 6 semanas sem tirá-lo para cicatrização

– Limpar e secar a região do furo diariamente com cotonete e álcool 70%

– Girar o brinco uma vez por dia

Você pode se interessar por: A amamentação diminui a dor do bebê durante a vacinação?

Saiba onde realizar o furo de orelha em bebês

Como visto, o furo de orelha em bebês de maneira humanizada é uma excelente opção para famílias que desejam colocar brincos nos recém-nascidos.

Mas, para isso, é preciso contar com um profissional experiente e de confiança para realizar o procedimento.

Nesse sentido, a Vip Imune realiza o furo em orelha de bebês a domicílio com brincos mais fininhos e mais delicados, embalados e esterilizados individualmente em cápsulas descartáveis, e certificados pela ANVISA.

A aplicação é rápida, silenciosa, higiênica e o melhor, sem contato manual!

Fale com os nossos especialistas e agende agora mesmo o furo de orelha para o seu bebê!

12 jul 2021
herpes zóster

Entenda como o estresse causado pelo longo período de isolamento social é o principal fator para o aumento dos casos de herpes zóster no Brasil

Os casos de herpes zóster aumentaram aproximadamente 35% no Brasil desde o início da pandemia, de acordo com estudo realizado pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Esse número elevado está diretamente ligado ao longo período de isolamento social provocado pela COVID-19, em que as pessoas deixaram de praticar hábitos de rotina e, com isso, a saúde mental e a imunidade foram prejudicadas, desencadeando no aumento da herpes zóster.

Vale lembrar que a doença, também chamada de cobreiro, que atinge pessoas que nunca tiveram catapora, tão pouco foram vacinadas, causa desde lesões leves na pele até casos mais graves como dores contínuas, feridas profundas e até problemas de memória.

O tratamento, geralmente, é realizado a partir de analgésicos e antivirais para controlar a infecção e as dores nos nervos. No entanto, a melhor maneira para evitar a enfermidade é a vacina. Saiba mais a seguir!

Leia também: Vacina herpes zóster: tudo o que você precisa saber

Entenda como funciona a vacina de herpes zóster

Dentre outros componentes, a vacina é formulada com o vírus vivo e atenuado da varicela zóster (VVZ).

Esse imunizante está liberado para ser aplicado em pessoas a partir dos 50 anos e recomendado como vacina de rotina para pessoas com mais de 60 anos de idade.

A vacina é segura e foi testada em mais de 50 mil pessoas em todo o mundo com idade entre 50 e 80 anos .

Saiba mais: Vacinação na adolescência: conheça a importância da imunização

Conheça as possíveis reações após a aplicação da vacina de herpes zóster

Após a aplicação da vacina de herpes zóster, uma parcela mínima das pessoas testadas sentiu alguns efeitos colaterais, como:

  • Febre em menos de 1% dos imunizados

  • Sintomas respiratórios em 1,7% dos vacinados

  • Diarreia em 1,5% dos que receberam a vacina herpes zóster

  • Alterações na pele em 1,1%

  • Cansaço em 1%

Além disso, é preciso destacar que a vacina é contraindicada para pessoas que têm imunodepressão, alergia grave (anafilaxia) a algum dos componentes do imunizante, tuberculose ativa não tratada e gestantes.

Você pode se interessar por: Vacina da gripe: tudo o que você precisa saber!

Conheça a VIP Imune

Como visto, para evitar problemas com a herpes zóster, o melhor método é a vacina. Mas, para isso, é preciso conhecer uma instituição de saúde de confiança.

Nesse sentido, a Vip Imune Clinica de Imunizações foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a aplicação da vacina de herpes zóster.

05 jul 2021
cuidar da saúde no inverno

Desde manter-se aquecido até a atenção com o calendário de vacinação, conheça as principais boas práticas sobre como cuidar da saúde no inverno

Na estação mais fria do ano, é preciso conhecer as principais dicas sobre como cuidar da saúde no inverno, já que, neste período, é comum ter problemas com gripes, resfriados e até infecções respiratórias.

Nesse sentido, a gripe é um dos maiores desafios de saúde pública no mundo e, por ano, são registrados aproximadamente 1 bilhão de casos de influenza ao redor do planeta, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde – OMS.

Além disso, em tempos de COVID-19, pode se confundir facilmente o diagnóstico, já que no inverno, existem muitas pessoas que são acometidas por gripe e infecções respiratórias ao mesmo tempo.

Para evitar essas enfermidades comuns desta época do ano, preparamos esse conteúdo com as principais dicas sobre como cuidar da saúde no inverno. Confira!

Leia mais: Confira 5 dicas para prevenir a gripe

Saiba como cuidar da saúde no inverno

1. Mantenha-se aquecido

A primeira dica sobre como cuidar da saúde no inverno é ter atenção para evitar passar frio. Nesse sentido, é importante estar sempre com casacos, calças, gorros e luvas, por exemplo.

Caso saia de casa para trabalhar e a temperatura não esteja tão baixa, considere levar esses itens em uma mochila para não ser surpreendido ao longo do dia.

2. Tenha uma alimentação saudável

Em seguida, é nesta época do ano em que a nossa imunidade é mais testada, com muitas pessoas gripadas, ambientes fechados, principalmente no transporte público, e suscetíveis a transmissão de doenças.

Por isso, manter uma alimentação saudável e a hidratação de pelo menos 2 litros de água por dia são práticas fundamentais para oferecer ao organismo o máximo de vitaminas e minerais.

3. Pratique exercícios físicos

Além disso, é importante se manter ativo e ter uma rotina de atividades físicas semanais, ainda que dentro de casa por conta do coronavírus.

Realizar exercícios físicos, além de melhorar a capacidade muscular, também proporciona benefícios cardiorrespiratórios e fortalece o sistema imunológico.

4. Evite ambientes fechados

Como já citado, quando se pensa sobre como cuidar da saúde no inverno, evitar ambientes fechados é essencial para evitar a transmissão de vírus e bactérias comuns desta época do ano.

Por isso, além de optar por locais arejados e ventilados, é essencial utilizar a máscara de proteção do nariz e da boca, para diminuir a possibilidade de infecção do coronavírus e dos demais problemas que as temperaturas mais baixas trazem.

5. Esteja em dia com o calendário de vacinação

Por fim, estar com o calendário de vacinação em dia, talvez, seja a dica mais importante sobre como cuidar da saúde no inverno, já que o vírus influenza, por exemplo, causa entre 3 a 5 milhões de casos graves de gripe todos os anos, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde – OPAS.

Saiba também: SARS: entenda o que é a síndrome respiratória aguda

Conheça a Vip Imune

Como visto, existem algumas dicas sobre como cuidar da saúde no inverno que ajudam a evitar problemas como gripes e resfriados.

No entanto, as vacinas são os principais aliados para evitar essas doenças desta época do ano.

Pensando nisso, a Vip Imune atua na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua vacinação.

21 jun 2021
Prevenir a gripe

Desde a higiene básica, prática de exercícios físicos, até a vacina, conheça as melhores práticas para prevenir a gripe

A partir da chegada das estações do ano com temperaturas mais baixas no Brasil, prevenir a gripe é importante para evitar complicações e garantir a manutenção da saúde.

Nesse sentido, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a gripe um dos grandes desafios no mundo inteiro, já que essa enfermidade registra de 3 a 5 milhões de casos graves anualmente e de 250 a 500 mil óbitos.

Por isso, todos os anos, a organização indica os principais vírus causadores de gripe para que os países ofereçam a vacina e evitem os casos da doença.

No entanto, além da vacina, existem outras práticas importantes que as pessoas devem seguir para evitar esse tipo de enfermidade.

A partir disso, preparamos esse conteúdo com as principais dicas para prevenir a gripe. Confira a seguir!

Leia também: Conheça todos os processos para o desenvolvimento da vacina da COVID-19

Conheça as melhores práticas para prevenir a gripe

1. Mantenha as mãos sempre higienizadas

A primeira dica parece simples, mas é fundamental para evitar a gripe e suas possíveis complicações.

Neste caso, é importante lavar as mãos frequentemente, utilizar álcool em gel e evitar manipular a boca ou nariz sem a higienização prévia.

2. Utilize máscara

Em seguida, também é necessário a utilização da máscara, principalmente em tempos de coronavírus, já que a proteção ajuda a evitar que as pessoas contraiam a gripe, ou ainda, a disseminá-la caso estejam infectadas.

3. Pratique exercícios físicos

Como se sabe, a prática de atividades físicas é essencial para garantir saúde, qualidade de vida e longevidade. E uma rotina de exercícios também colabora para prevenir a gripe.

Por isso, não fique parado. Ainda que dentro de casa, coloque no seu dia a dia alguma atividade física que te agrade e te ajude a se manter saudável.

4. Mantenha uma dieta equilibrada e saudável

Por falar em saudável, garantir uma dieta equilibrada também é importante para prevenção da gripe e de outras doenças, principalmente diabetes e os problemas de coração, por exemplo.

Neste caso, evite o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, doces, frituras e inclua na sua alimentação boas fontes de fibras, carboidratos, proteínas e gorduras.

Caso tenha dificuldade, buscar a ajuda de um especialista, como um nutricionista, pode te ajudar.

5. Tome a vacina da gripe

Por fim, a vacina da gripe é crucial para evitar a doença. Desta maneira, procure uma instituição de saúde de confiança para receber a dose única do imunizante.

Você pode se interessar por: SARS: entenda o que é a síndrome respiratória aguda

Conheça a Vip Imune

Como visto, existem algumas boas práticas que ajudam a prevenir a gripe, entretanto, a vacina é uma das principais soluções para evitar a enfermidade.

Por isso, apesar do Ministério da Saúde fornecer a vacina da gripe gratuitamente, o imunizante não contempla todas as cepas da influenza B.

Já a vacina da gripe ofertada na rede particular é tetravalente e inclui uma cepa a mais do vírus influenza B. Assim, é importante contar com uma instituição de saúde privada de confiança.

Para atender a essa demanda, a Vip Imune tem a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua vacinação.

14 jun 2021
Vacinação na adolescência

Saiba quais são os principais imunizantes e conheça os reforços necessários sobre a vacinação na adolescência.

Após o período de infância, em que as crianças tomam diversos imunizantes de acordo com o calendário estipulado pelo Ministério da Saúde, a vacinação na adolescência, muitas vezes, é deixada para trás.

No entanto, neste período da vida, é essencial reforçar as defesas do organismo e evitar doenças como difteria, tétano, hepatite e até HPV, por exemplo.

Por isso, para reforçar a importância dos imunizantes, preparamos esse conteúdo com os principais tópicos de relevância sobre a vacinação na adolescência. Confira!

Leia também: Conheça todos os processos para o desenvolvimento da vacina da COVID-19

Conheça a importância da vacinação na adolescência

1. Completar as imunizações que faltaram na infância

Entre os 11 e os 19 anos de idade, existem poucos imunizantes que os jovens precisam receber. No entanto, caso tenham deixado de tomar alguma vacina no período da infância, é preciso completar a caderneta de vacinação, mesmo que atrasados, como a imunização para:

  • Hepatite A

  • Hepatite B

  • Tríplice Viral

  • Varicela

  • Febre Amarela

Isso se deve ao fato de que, na infância, recebemos as principais vacinas para evitar diversas doenças graves e, por isso, a imunização deve ser aplicada, ainda que fora do período ideal indicado pelo Ministério da Saúde.

2. Reforço de doses importantes

Além disso, a vacinação na adolescência é fundamental para reforçar doses de imunizantes importantes que perdem efeito com o tempo, como tétano e difteria, por exemplo.

Assim, os jovens garantem o reforço que o organismo precisa para combater essas enfermidades, caso seja necessário.

3. Proteção contra doenças perigosas

Por fim, para os jovens, entre 11 e 19 anos, que estão com o calendário de imunização em dia e já, inclusive, receberam os reforços necessários, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) indicam as seguintes vacinas:

  • dpaT

  • HPV

  • Influenza

  • Meningite A-C-W135-Y

Você pode se interessar por: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Conte com a Vip Imune para a vacinação na adolescência

Vale destacar que, apesar do Ministério da Saúde disponibilizar a maioria dos imunizantes de maneira gratuita, existem alguns que só é oferecido na rede particular, como a de meningite quadrivalente, ou A-C-W135-Y, por exemplo.

Por isso, é fundamental conhecer uma instituição de saúde que não só oferece a vacinação na adolescência, como promove todas as imunizações previstas pelo Ministério da Saúde, desde o nascimento até a terceira idade.

Nesse sentido, a Vip Imune promove a vacinação familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para pessoas de todas as idades.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a sua imunização.

07 jun 2021
Vacina da gripe

Entenda como funciona, as possíveis reações, onde tomar e para quem é indicada a vacina da gripe

Apesar do isolamento social provocado pelo coronavírus, a recomendação do Ministério da Saúde é que a população mantenha o calendário de imunização em dia e, inclusive, receba a vacina da gripe.

Vale destacar que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), são registrados de 3 a 5 milhões de casos graves de gripe por ano e de 250 a 500 mil mortes no mundo.

Nesse sentido, a vacina da gripe reforça o organismo para combater o vírus influenza e os seus subtipos H1N1 e H3N2, que costumam circular com mais intensidade no Brasil a partir de março.

Além disso, alguns estudos iniciais, desenvolvidos pela Universidade de Michigan e divulgados no American Journal of Infection Control (AJIC), indicam que a vacina da gripe pode proporcionar até algum nível de proteção contra a COVID-19.

Por isso, preparamos esse conteúdo com tudo o que você precisa saber sobre a vacina da gripe. Confira!

Leia também: Conheça todos os processos para o desenvolvimento da vacina da COVID-19

Entenda como funciona a vacina da gripe

vacina da gripe contém algumas proteínas do vírus inativado, no caso o influenza e seus principais subtipos, que, quando entram em contato com as células de um organismo, provocam resposta imunológica e anticorpos para esse patógeno.

Desta maneira, caso o vírus entre em contato com esse organismo imunizado, a defesa é reativada por meio da memória do sistema imunológico, que elimina a ameaça antes que provoque a doença.

Você pode se interessar por: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Saiba quem deve tomar a vacina da gripe

vacina da gripe deve ser aplicada na maior quantidade possível de pessoas, independentemente de sua faixa-etária.

No entanto, a recomendação é de que pessoas que têm maior probabilidade de entrar em contato com o vírus da gripe, e desenvolver sintomas e até complicações, recebam as doses do imunizante com prioridade.

Por esse motivo, o calendário de vacinação estabelecido pelo ministério da saúde foi dividido em três etapas:

  • 1ª etapa – de 12/04 a 10/05: crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde

  • 2ª etapa – de 11/05 a 08/06: idosos e professores

  • 3ª etapa – de 09/06 a 09/07: demais grupos

Saiba mais: SARS: entenda o que é a síndrome respiratória aguda

Confira qual é o tempo para imunização após a aplicação da vacina

vacina da gripe é aplicada em dose única e tem seu processo completo de imunização entre 10 e 15 dias após a aplicação, com duração de aproximadamente um ano.

Veja: Saiba como prevenir as crises alérgicas

Conheça as reações e efeitos colaterais do imunizante

Não existem efeitos colaterais provenientes da vacina da gripe, entretanto, algumas reações comuns podem acontecer, como:

  • Dor no local da aplicação

  • Vermelhidão

  • Inchaço

  • Febre baixa

É importante destacar que a vacina da gripe não causa a doença, por isso, febre alta, dor no corpo e nariz entupido não são sintomas de reação ao imunizante.

Leia mais: Calendário Vacinal Atrasado Durante A Pandemia: O Que Fazer

Conte com a VIP Imune

Apesar do Ministério da Saúde fornecer a vacina da gripe gratuitamente à população, o imunizante não contempla todas as cepas da influenza B, por exemplo, apenas as principais.

Já a vacina da gripe disponibilizada na rede particular é tetravalente e inclui uma cepa a mais do vírus influenza B. Por isso, é importante conhecer uma instituição de saúde privada de confiança.

Neste caso, a Vip Imune foi idealizada e planejada com a proposta de atuar na imunização familiar e corporativa, agregando valor, qualidade e informação a todos.

Contamos com uma equipe qualificada e atenciosa na área de imunização e com profissionais experientes, o que resulta em um atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe sua imunização, de acordo com o calendário de vacinação.

31 maio 2021
Pneumonia

Conheça todas as características, os principais sintomas e os tratamentos para pneumonia

pneumonia é uma inflamação dos pulmões que, geralmente, está relacionada a uma infecção por vírus, bactérias, fungos ou até de processos alérgicos.

Segundo o Ministério da Saúde, somente no Brasil, entre 2015 e 2017, foram registrados aproximadamente 200 mil óbitos causados por pneumonia, uma média de 66,5 mil casos por ano, sete por hora.

Além disso, de acordo com o mesmo levantamento, mais de 80% das mortes por pneumonia no país são de idosos, o que demonstra a taxa de mortalidade nesta faixa etária.

Diante disso, preparamos esse conteúdo com as principais características sobre pneumonia, sintomas e como tratar a doença. Confira a seguir!

Leia também: SARS: entenda o que é a síndrome respiratória aguda

Conheça os principais sintomas da pneumonia

Geralmente, pessoas que estão com pneumonia começam a apresentar sintomas como febre, tosse e desconfortos respiratórios.

Por isso, esses sintomas semelhantes aos de doenças, como gripes e bronquites, retarda o diagnóstico precoce, o que é essencial para evitar complicações provocadas pela enfermidade.

Saiba mais: Saiba como prevenir as crises alérgicas

Entenda como a doença se desenvolve no organismo

Na maioria dos casos, a pneumonia começa com uma simples gripe ou resfriado que não é bem tratado e, consequentemente, provoca a queda considerável da imunidade de uma pessoa.

Sem as defesas ideais do organismo, diferentes tipos de bactérias se infiltram nos alvéolos pulmonares e causam a inflamação da pneumonia.

Você pode se interessar por: Conheça todos os processos para o desenvolvimento da vacina da COVID-19

Saiba quais são os tipos de pneumonia

Como a doença pode ser provocada por diferentes bactérias, a pneumonia apresenta uma grande variedade, e até com sintomas diferentes, mas em comum, todas afetam o pulmão de uma pessoa.

Dentre os principais tipos de pneumonia, os principais são:

  • Bacteriana

  • Por transmissão de outra pessoa infectada

  • Hospitalar

  • Associada à ventilação mecânica, quando um paciente entubado desenvolve a doença

Vale destacar que o contágio da pneumonia é a maneira mais difícil de pegar a doença.

Leia mais: Vacina BCG: saiba como prevenir a tuberculose

Confira como é o tratamento

Nos casos mais leves, o recomendado é que o paciente beba bastante líquido e descanse, além de tomar os medicamentos receitados.

Já para casos mais graves, no hospital, o tratamento pode incluir:

  • Administração de antibióticos por via intravenosa

  • Cuidados especiais de hidratação

  • Administração de oxigênio

  • Administração de broncodilatadores

  • Fisioterapia respiratória

Saiba mais: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Conte com a Vip Imune

Agora que você já conhece as principais características sobre a pneumonia, é importante manter o calendário de vacinação em dia, principalmente as relacionadas à gripe, já que um resfriado mal tratado pode trazer graves consequências a um paciente.

Nesse sentido, a Vip Imune promove a vacinação familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para pessoas de todas as idades, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a sua imunização.

24 maio 2021
Vacinação ocupacional

Entenda a importância da vacinação ocupacional para a saúde dos trabalhadores

vacinação ocupacional tem sido um importante investimento das empresas que se preocupam com a saúde e bem-estar dos trabalhadores, já que, segundo pesquisa encomendada pela Pfizer e realizada pelo Ibope, apenas 50% dos brasileiros verificam a carteirinha de vacinação regularmente.

Além disso, ainda de acordo com o mesmo levantamento, 17% dos entrevistados nunca verificam, não têm, não sabem se têm ou onde está o documento.

Assim, com o investimento na saúde do trabalhador, as empresas têm profissionais saudáveis, mais motivados, além de evitar problemas como absenteísmo e até gastos elevados com planos de saúde corporativos.

Diante disso, preparamos esse conteúdo sobre a importância da vacinação ocupacional e os benefícios desta prática para profissionais e empregadores. Confira!

Leia também: 5 dicas para combater a hipertensão

Conheça as principais imunizações da vacinação ocupacional

Antigamente, as organizações que investiam em imunização para os trabalhadores disponibilizavam basicamente a vacina para gripe.

No entanto, nos últimos anos, as empresas notaram a grande quantidade de pessoas que não estão com o calendário de vacinação em dia, além de grandes gastos provocados pelo absenteísmo e até presenteísmo, e passaram a disponibilizar outras imunizações aos seus profissionais.

Conheça as principais vacinas disponibilizadas pelas organizações atualmente:

  • Gripe

  • Hepatite A-B

  • Influenza

  • dTpa

  • Febre Amarela

Saiba mais: Saiba como combater o câncer na infância

Saiba as vantagens de promover a imunização dos profissionais para empresas

Além das imunizações básicas, existem ramos de atuação em que os profissionais são expostos a alguns tipos de infecções que também devem ser evitados com a vacinação ocupacional.

Desta maneira, as organizações garantem saúde, bem-estar e produtividade. Confira outros benefícios:

  • Melhora a qualidade de vida dos empregados

  • Diminui a proliferação de doenças

  • Promove a manutenção da saúde

  • Proporciona mais motivação e satisfação dos profissionais

  • Diminui o absenteísmo e o presenteísmo

  • Reduz custos com planos de saúde

  • Contribui para a produtividade dos colaboradores

Acesse também: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Entenda como a vacinação ocupacional também conscientiza os trabalhadores

Antes de iniciar as vacinas nos profissionais, as organizações contratam empresas especializadas neste serviço, que, em um momento inicial, trabalham para disseminar a informação e a importância da imunização.

Assim, os trabalhadores são estimulados a receberem as vacinas e ainda dividem essas informações sobre a importância de manter o calendário de imunização em dia com familiares e amigos.

Você pode se interessar por: Vacina BCG: saiba como prevenir a tuberculose

Conheça com a Vip Imune

Para iniciar uma campanha de vacinação ocupacional em sua empresa, é essencial contar com uma parceira sólida e de confiança.

Neste caso, a Vip Imune Clinica de Imunizações promove a imunização familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada e atenciosa, que proporciona atendimento humanizado e completo para todas as pessoas.

Entre em contato com os nossos profissionais e saiba tudo o que podemos oferecer para sua empresa!

17 maio 2021
amamentação

Desde o tempo ideal até a dieta adequada para as mamães, conheça as principais características para a amamentação saudável

A chegada de um bebê traz diversas alegrias, mas também uma série de desafios e dúvidas, inclusive sobre a amamentação. Vale destacar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam, quando possível, a amamentação exclusiva por seis meses.

Nesse sentido, vale destacar que, mais da metade das crianças brasileiras é amamentada no primeiro ano de vida, e mais de 45% dos bebês menores de seis meses recebem leite materno exclusivo, de acordo com estudo do Ministério da Saúde.

Diante dessas informações, reunimos as respostas para as principais dúvidas das mamães sobre amamentação. Veja a seguir!

Leia também: Depressão pós-parto: conheça as causas, sintomas e o tratamento

Mamãe, você tem dúvidas sobre a amamentação? Confira as principais respostas aqui!

Por quanto tempo deve-se amamentar a criança?

Como já indicado no início do texto, a recomendação dos órgãos internacionais e brasileiros é de amamentação exclusiva por 6 meses.

Após esse período, pode-se manter a alimentação do bebê com leite materno, mas é recomendado que as mamães comecem a introduzir a alimentação complementar. Esse modelo pode ser seguido até os dois anos de idade da criança, sempre com acompanhamento de um pediatra.

A introdução de alimentos diminui gradativamente o número de mamadas ao longo do dia e, consequentemente, o desmame pode acontecer naturalmente.

Quanto tempo deve durar cada mamada?

O tempo de mamada depende muito de cada bebê, já que cada um desenvolve seu próprio jeito de se alimentar. No entanto, é estimado que 10 minutos, aproximadamente, são suficientes para uma boa alimentação.

Vale destacar que, nos primeiros dias de vida, esse tempo de mamada pode ser bem maior, afinal, o bebê está em processo de aprendizado, bem como a mamãe.

Por fim, o intervalo entre as mamadas deve ser de duas a quatro horas.

É aconselhável acordar o bebê para mamar durante a madrugada?

Caso o bebê apresente o desenvolvimento ideal, de acordo com avaliação do pediatra e ganhe peso normalmente, não é necessário acordá-lo de madrugada para amamentá-lo.

Ao invés da preocupação, fique tranquila! São poucos os recém-nascidos que não mamam durante a noite!

Como saber se a criança mamou o suficiente?

Para avaliar se a mamada foi suficiente, preste atenção se o bebê ficou tranquilo e relaxado após mamar. Além disso, verifique se a quantidade de xixi durante o dia foi suficiente para seis fraldas.

No mais, é fundamental realizar as consultas pediátricas de acordo com o calendário estabelecido pelo médico do seu bebê. Assim, ele vai ter certeza se a amamentação está sendo o suficiente a partir do ganho de peso da criança.

Qual a dieta mais recomendada para a mãe durante a amamentação?

Por fim, para que a amamentação seja saudável e eficiente para os bebês, é essencial que a mamãe tenha uma dieta equilibrada e se hidrate adequadamente.

Por isso, consumir pelo menos 2 litros de água e fazer cinco ou seis refeições por dia, com variedade de alimentos e sem abusar dos doces, é o que os especialistas recomendam para este período de amamentação.

Você pode se interessar por: Conheça as principais dicas para a saúde da mulher

Conheça a Vip Imune

Além da amamentação, é fundamental seguir o calendário de vacinação para os bebês e, para isso, é preciso ter uma instituição de saúde de confiança.

Neste caso, a Vip Imune promove a vacinação familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para todas as pessoas, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a imunização do seu bebê, de acordo com o calendário de vacinação.

10 maio 2021
SARS

Conheça as principais causas, os sintomas e saiba como combater a síndrome respiratória aguda

A partir da pandemia do novo coronavírus, a síndrome respiratória aguda, também conhecida por SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), ou SRAG, é discutida diariamente nos noticiários dos veículos de imprensa.

Nesse sentido, apesar de grande parte dos sintomas da Covid-19 ser leve, a síndrome respiratória aguda é um dos indícios mais graves da infecção e, para combatê-lo, é fundamental conhecer os sintomas e entender quais são as medidas preventivas.

Vale destacar que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS)entre os pacientes infectados com coronavírus, aproximadamente 15% apresentam sintomas graves e precisam de oxigênio, enquanto 5% ficam gravemente doentes e precisam de cuidados intensivos.

Diante deste cenário, saiba como identificar a enfermidade e conheça as melhores práticas para combater a síndrome respiratória aguda.

Leia também: Conheça todos os processos para o desenvolvimento da vacina da Covid-19

Saiba identificar sinais e sintomas da síndrome respiratória aguda

Na prática, a SARS pode ser identificada a partir do seguintes indícios:

  • Febre

  • Calafrios

  • Dor de cabeça

  • Tosse

  • Nariz escorrendo

  • Dor de garganta

  • Dificuldade ou desconforto para respirar

  • Sensação de peso ou pressão no peito

  • Oxigenação sanguínea abaixo de 95%

Nas crianças, os principais sintomas são a falta de ar, desidratação e a falta de apetite.

Saiba mais: Vacina BCG: saiba como prevenir a tuberculose

Conheça o que causa a enfermidade

Os motivos para a síndrome respiratória aguda podem ser as infecções dos pulmões (pneumonia), que são causadas por diversos microrganismos, como bactérias, vírus e fungos. Dentre estes microrganismos está o coronavírus

Você pode se interessar por: Tire suas dúvidas sobre a vacina DTPA + IPV

Saiba o que fazer quando sentir os sintomas da síndrome respiratória aguda

A partir dos sinais de que uma pessoa pode estar com a síndrome respiratória aguda, é preciso buscar atendimento médico o mais rápido possível para uma primeira avaliação.

Caso necessário, serão colocados em prática cuidados mais intensivos, como:

  • Internação

  • Isolamento

  • Exames para identificar a causa da SARS

Inicialmente, o tratamento da enfermidade é realizado com grandes quantidades de oxigênio, já que este procedimento é suficiente para a melhora e conforto da maioria dos pacientes.

No entanto, se não forem apresentadas melhoras significativas, é avaliada a necessidade de intubação do paciente.

Leia também: Saiba como combater o câncer na infância

Conheça a Vip Imune

As pessoas que recebem a aplicação das vacinas contra o coronavírus dificilmente irão ter consequências mais graves da infecção, como a síndrome respiratória aguda.

Por falar em vacina, é fundamental estar com o calendário de imunização em dia e, para isso, é preciso contar com uma instituição sólida, experiente e de confiança

Nesse sentido, a Vip Imune promove a vacinação familiar e corporativa, a partir de uma equipe qualificada, experiente e atenciosa para proporcionar atendimento humanizado e completo para pessoas de todas as idades, desde bebês até terceira idade.

Entre em contato com os nossos profissionais e programe a sua imunização.